segunda-feira, janeiro 22, 2007

INEM: A resposta do blog aos comentários dos TAS/TAE e a visibilidade da questão na imprensa!






Esta "discussão" com os TAS/TAE será frutífera? Todos sabemos que são técnicos com as suas limitações quer legais, quer formativas. O seu discurso argumentativo é repetitivo.

No entanto, este assunto foi abordado pela imprensa, como podem ler nos seguintes artigos:

Notícia 1 - Funções dos Enfermeiros no socorro clarificadas- Público

Notícia 2 - Integração Enfermeiros INEM - Notícias da Manhã

Notícia 3 - INEM - Enfermeiros - Correio da Manhã

Finalmente deixo a minha reposta, não com um intuito provocador ou destabilizador, mas sim de caracter formativo/informativo, tendo sempre em mente o meu respeito pelos técnicos do INEM:


"Após a minha ausência no fim-de-semana, chego e vejo aqui uma discussão muito atribulada. De uma forma resumida vou tentar responder a todos, dando a minha HUMILDE opinião.

Antes do mais, como já devem ter percebido há muito, o "doutorenfermeiro" é enfermeiro. E também penso que não é preciso muita sapiência para perceber que estou ligado à emergência médica. Penso que não será preciso mais apresentações, pois além de tudo prezo o meu anonimato (fiz só este pequeno apontamento para melhor "situarem" a minha opinião).

1 - Os Enfermeiros não tiveram durante o curso formação em emergência médica. FALSO - Entre várias teórico-práticas, existem estágios em serviços de urgência. Além dos mais, já existem pós-graduações de emergência e mestrados em medicina de catástrofe (onde apenas são permitidas inscrições de médicos/enfermeiros).
Todo o saber de um profissional não se adquire APENAS no curso base. O CURSO BASE DE MEDICINA NÃO COMPREENDE EMERGÊNCIA MÉDICA e ainda não vi ninguém queixar-se ou tentar invalidar o papel dos médicos na EPH!!

2 - TAE's, colegas de Enfermeiros? Nem comento. Colegas, como sabem não é sinónimo de amizade ou trabalho em equipa. Habitualmente designam-se assim os profissionais de mesma classe.

3 - SAV é só para médico/enfermeiro ou médico/tas?? Errado, SAV é só para médico/enfermeiro, ou no caso do médico ser acompanhado por TAS (o que é cada vez mais raro), é só para médicos. LEIAM a legislação. OS ÚNICOS PROFISSIONAIS HABILITADOS A PRESTAR APOIO MEDICALIZA EM POTUGAL SÃO MÉDICOS/ENFERMEIROS!!!!

4 - "mais de 90% dos TAE são licenciados" - essa afirmação é duvidosa, mas sim conheço muitos TAE's licenciados. O problema é que são licenciados em áreas onde o desemprego é caótico (professores, engenheiros, psicólogos)... e uma formação por exemplo como engenheiro, qual é a mais-valia para o pré-hospitalar???

5 - Falou-se em autonomia. Quem já viu uma VMER em acção é ridículo falar-se em autonomia. E então em situações multi-vítimas (o médico vai para um lado, o enfermeiro para o outro) é FLAGRANTE!!
Sejam faceis ou difíceis, os métodos invasivos (puncionar, por exemplo), estão regulamentos e legislados, ou seja, a lei é que define que os pode e deve concretizar. A maior parte dos enfermeiros das VMER sabe fazer praticamente tudo o que os médicos fazem, e não utilizam esse argumento contra os mesmos.

O comportamento dos TAS/TAE revela falta de ética, profissionalismo e demonstra a superficialidade de conhecimentos.


Goste-se ou não são estas as regras ACTUAIS do nosso sistema de emergência médica. É irrelevante dizer que os técnicos de emergências NOUTROS países (equivalente aos nossos TAS/TAE?!?!?) fazem isto ou aquilo... NOUTROS países os Enfermeiros prescrevem farmacologia...

As regras actuais do jogo são aquelas pelas quais temos que de guiar, e são com as limitações de um curso de 210 horas que os TAS/TAE têm de estabelecer o seu lugar no pré-hospitalar!! E as limitações estão previstas na lei!

Um exemplo flagrante foi quando os Enfermeiros começaram a tripular VMER'S. Disse-se isto, aquilo, e aqueloutro, o certo é que a política actual e futura passa pela equipa médico/enfermeiro nas VMER e na vertente medicalizada!
E é possível comprovar: as novas VMER APENAS ABREM COM ENFERMEIROS,e os TAS que ainda vão tripulando vMER'S e que vão saindo, vão sendo colocados enfermeiros nos seu lugares...


Um abraço e votos para que este tipo de discussões fúteis sejam um passado.
"

Comments:
Penso que tudo tem limites, e as coisas escritas por aqui estão a ser difundidas a nível nacional, e puderam ter consequências no terreno, aconselho vivamente a ter CUIDADO com o que se escreve.

A única coisa que sabes escrever são MENTIRAS, mas isso poderá ser resolvido em tribunal.
 
No caso de duvidas, caro Paulo, veja a Legislação Portuguesa! Se assim não ficar esclarecido, recomendo que leia novamente o texto anterior!Considero sim uma vergonha que as VMERs estejam concentradas no Litoral, sem que as Populaçóes do interior possuam os mesmos direitos!! Assim se morre assim se atrasa o auxilio ao doentes emergentes!Outra alteração que propunha seria a colocação de Combitube nas ambulãncias, assim a via aerea seria permiabilizada e protegida, o que implicaria a dimininuição da mortalidade! Pessoalmente, peço apenas que se faça SBV pois muitas vezes quando nos deslocamos a situações de paragens nem sequer isso foi iniciado pelos Bombeiros!

Continuem a desenvolver um pensamento atento, reflectido e mediativo! O Colega Sérgio S.
 
Não sou advogado de defesa do Doutor Enfermeiro,mas nada do que foi afirmado no seu blogue é mentira...
Já agora (quem me conhece deste e de outros espaços de discussão já deve estar habituado...) cá vai a "correcçãozinha ortográfica": PUDERAM é diferente de PODERÃO.
Por favor, quando alguém quiser ser minimamente imponente e credível numa ameaça ou insulto não cometa estas ofensas à nossa escrita. Assim, apenas caem ainda mais no ridículo.
Passe bem Paulo.
 
Boa noite a todos

Obviamente que nada do que foi escrito pelo "Doutorenfermeiro" é mentira.

Como refere o colega Rui, o responsável por este Blog não precisa de nenhum "advogado de defesa" porque, basta ler o primeiro parágrafo para se perceber com toda a naturalidade que está dentro do contexto do Pré-hospitalar, sabendo claramente do que fala.

Só uma pequena nota, pouco relevante, mas por pensarmos diferente... entendemos, ao contrário do colega "Doutorenfermeiro" que as discussões (quase) nunca são fúteis.

A nossa experiência profissional e pessoal demonstra-nos claramente (e porque já as vivemos múltiplas vezes)- podemos abordar este assunto um dia -, que as discussões podem por vezes parecer desinteressantes e despropositadas mas, a literatura revela-nos, que na maior parte das vezes é útil e até desejável em múltiplas circunstâncias, no sentido em que ambas as partes acabam por aprender algo, tendo como consequência eventuais mudanças, sendo que estas podem ser conseguidas com maior ou menor impacto.

Mas, sem qualquer desprimor, e como temos a certeza que compreenderá no sentido em que aqui é despropositada, esta é uma outra conversa que certamente um dia, quem sabe, a podemos abordar (quem sabe) pessoalmente.

Nunca se sabe!

Cumprimentos
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
De: Medico8
Ao cuidado do "Doutorenfermeiro"

Sou TAE e desde já gostaria de deixar os meus cumprimentos ao auxiliar de acção medica, o sr"doutorenfermeiro",sim, porque eu trabalho dentro de uma viatura de emergência e trabalho com uma farda que diz INEM e TAE, não trabalho dentro de um hospital e ando de branco como qualquer um. Por vezes entro dentro do hospital e não consigo distinguir quem vai receber o doente e quem vai buscar a arrastadeira ou o urinol, estão todos de igual!!!! O único que distingo é o medico que usa bata e tem estetoscópio ao pescoço.

Com esse nome adoptado pelo sr. auxiliar, "doutorenfermeiro" leva-me a crer que não passa de mais um eliminado por não ter média para mais, (já sei, lá vem a lenga lenga de "eu era incapaz de escolher medicina", "é uma classe arrogante", blá blá blá)ou seja, é um frustrado de medicina.

Xiiiii... Agora me lembro, acusaram o meu colega João Lourenço de ignorância arrogância e afins, que iram dizer de mim... Prometo ser mais moderado.

Continuando sr. Azeiteiro "doutorenfermeiro" (epá, riu-me sempre que escrevo esta palavra eheheheheh)diga-me uma coisa, o sr. troca a VMER por uma ambulância??? Olhe o seu protagonismo. Depois deixa de aparecer na televisão e parece mal ir para jornadas, congressos e fóruns, apresentar trabalhos carregando uma cadeirinha, nisso o sr. não me ensina nada. Tenho licenciatura de transporte de doentes em cadeira e maca de transferência, isso ao seus olhos, claro, porque nós TAE até damos mais uns toques que isso, (desculpe a simplicidade das minhas palavras, mas quero que entenda tudo o que escrevo para não arranjar desculpas).

Quando escolheu enfermagem, qual foi a parte que não percebeu??? Eu passo a ajuda-lo. Está escrito em dicionário de Português:
Enfermeiro – Pessoa que trata de enfermos.
Enfermagem – Funções de enfermeiro
Enfermaria – Casa ou dependência destinada a tratamento de enfermos
Hospital – Estabelecimento onde se tratam doentes
Ambulância – Carro para transportar doentes.

Concluindo este esclarecimento, se o enfermeiro trata dos doentes, e os doentes são tratados nas enfermarias e nos hospitais, e as ambulâncias são para o transporte, sr. Auxiliar “Doutorenfermeiro”, deixe-se ficar no seu cantinho e preocupe-se em fazer o trabalho para o qual foi formado e no local para efeito.

Mas eu não estou aqui só para esclarecer, preocupou-me imenso saber pela sua pessoa que há enfermeiros sem colocação. Deixo a minha sugestão.
Sei que existem muitos lares e casas de repouso a necessitar de enfermagem digna da qualidade humana. Pelo que assisto no dia a dia, esse cuidado é negligente e muitas vezes efectuado por enfermeiros reformados e desactualizado. A higiene diária é deixada ao cargo dos empregados do lar quando essa formação é bem vincada e explorada na formação de enfermagem. Mas isso não dá protagonismo, não aparece na televisão. Já imaginaram o sr “doutorenfermeiro” a dizer “ eu trabalho num lar a fazer higiene diária e administrar a medicação diária. NÂO FICA BEM….
Trabalhar na VMER é que é……

O sr. Eliminado diz ainda “O comportamento dos TAS/TAE revela falta de ética, profissionalismo e demonstra a superficialidade de conhecimentos”
Não compreendo quando acusa os TAS/TAE de falta de ética e falta de profissionalismo, não só não compreendo como não o admito. As vitimas que transporto, tem todos os cuidados de emergência garantidos dentro da formação que me foi ministrada, bem como toda a atenção do técnico que vai na célula sanitária, nunca a abandona até à passagem da vitima na unidade Hospitalar, onde ai é deixada por vezes ao abandono como alguém desconhecido, em que muita das vezes sou abordado por essas vitimas nos corredores dos Hospitais, que pedem auxilio pois já o tinham feito a elementos de saúde da unidade Hospitalar e foram ignoradas. Isto é o que você chama de ética e profissionalismo?? Então temos conceitos diferentes. Provavelmente ainda o sr. Azeiteiro não pensava seguir enfermagem, já eu andava a bater com os “testículos” dentro de uma ambulância com formação adequada.

Agora, entendo perfeitamente quando afirma que o comportamento dos TAS/TAE, demonstra a superficialidade de conhecimentos, ainda estamos muito aquém da formação em emergência medica que possuem os enfermeiros. Por exemplo aquela técnica de passagem do doente com material de imobilização, que começam a retirar tudo antes de uma observação MEDICA, eu disse MEDICA.
Temos a técnica que é a minha favorita, a técnica da “báscula”. Passo a citar, os senhores enfermeiros pedem a ajuda dos seus colegas auxiliares de acção medica para passarem a vitima e de seguida inclinam o plano rígido (sr. Azeiteiro ou azeiteiros, o plano rígido é aquela prancha ou tábua, vocês dão-lhe tanto nome que não sei qual preferem, onde o doente vem imobilizado) e de seguida arrastam a vitima sem qualquer alinhamento.

Por falar em alinhamento, outra técnica em que estamos a anos-luz dos enfermeiros é a estabilização da cervical. Nós TAS/TAE aprendemos durante a nossa “curta” formação não mais que 5 formas de colocar as mãos para estabilizar uma cervical, mas os enfermeiros conseguem colocar as mãos em enumeras formas e muitas delas bastantes originais, será pela nossa curta formação??? Se tivéssemos estudado 0s 4 anos, teríamos de certeza aprendido as outras formas?!?!?!? Peço um esclarecimento, (sim, nós estamos sempre a aprender e eu sou muito aberto à formação que me possam ministrar) Porque é que na estabilização da cervical puxam tanto a cabeça às vítimas??? Já pensei que poderá ser por não possuírem nas urgências colares cervicais de tamanho adequado e assim colocarem o número existente.

Se formos falar no SBV, ai (e permita-me que utilize as suas palavras) é de BRADAR ao céu.
A técnica de compressões mais parece que estão a tirar água de um poço e as ventilações, com insuflador, parecem estar a encher um bote pneumático. É muito à frente mesmo.
Atenção, estou apenas a falar dos que ainda se dignam fazer essas manobras, os que nada fazem, desculpem-me.

Bem, mas à coisas que não me atreveria a fazer dada à sua complexidade. Refiro-me à actuação na VMER como enfermeiro.
A complexidade que tem por exemplo preparar um qualquer fármaco existente na mala medica para dentro de uma seringa usando ou não uma agulha a pedido do medico.
A preparação de um soro indicado pelo medico. A monitorização a pedido do medico. A programação de uma infusora a pedido de um medico. Bem, mas vocês fazem mesmo tudo só sobre ordem medica. Mais uma razão para serem vocês os auxiliares de acção medica e não nós porque nem sempre trabalhamos sobre ordem medica, e ainda temos certa autonomia na nossa função, quer saber quais?? Instrua-se….

Mas há manobras que são efectuadas pelo enfermeiro no pré-hospitalar nas quais não tenho mesma formação. Por exemplo, a intubação naso-gástrica . Fico admirado com tal manobra e interrogo-me o quanto é preciso equacionar antes de estar preparado para a efectuar, é mesmo muito complexa.

Quanto ao acto de puncionar (xiuuuu, não digas essa palavra porque é proibido) quer me mostra qual é a ciência?? Se é da opinião que esse acto jamais deverá ser feito por um outro profissional de saúde que não medico ou Azeiteiro, ups, enfermeiro, que a formação especializada que está proposta para os TAE, não deve sair da gaveta e dessa forma não podermos melhorar a qualidade de vida das vitimas que socorremos diariamente na rua, então o sr. Eliminado, não é tão inteligente assim, que não consegue alargar os seus horizontes como se de um burro com pala nos olhos se tratasse.

Enfermeiros como o sr. “doutorenfermeiro” não passam de pragas de gafanhotos, que tentam dizimar tudo o que é construído com esforço, orgulho e dedicação, apoderando-se sem esforço algum do que já estava construído e dessa forma se vangloriarem e tentarem chegar a posição igual à que a classe medica tem neste momento no nosso pais. Mas para isso não é preciso humilhar os outros para podermos brilhar. Começaram por se alistar nos bombeiros, agora querem o INEM, e a seguir, que vais ser???.....

Quero salientar o orgulho que tenho naquilo que faço e na instituição para que trabalho e no orgulho que tenho em trabalhar todos os dias ao lado de homens e mulheres TAE que se esforçam para que todas as vitimas tenham o socorro adequado sem descriminação ou julgamento.

Sou e faço aquilo que escolhi….

Ass: Medico8 (como é de conhecimento dos mais velhos na emergência, que não deve ser o seu caso “doutorenfermeiro” esta era a sigla da VMER de S.F.Xavier)
Identifico-me com este nome para ficarmos em igualdade, de doutor para doutor.
 
Ex.mo TAE,
como pode querer demonstrar a ética e profissionalismo da sua classe quando ilustra o seu comentário com vocabulário ofensivo e desconhecedor?

Antes de mais, deixe-me clarificar que sim, os enfermeiros tratam de doentes. Mas os doentes tanto estão no intra-hospitalar como no pré-hospitalar. O curso de medicina/enfermagem habilita os formados para a prestação de cuidados a utentes, não especifica onde. Se ataca os Enfermeiros, porque não ataca os médicos?

Sobre a dificuldade ou não na realização de procedimentos, tenho a informá-lo que cabe a todos os profissionais o cumprimento da lei. Nada mais. E é como lhe digo, neste momento actual temos de nos "coser com as linhas disponíveis" e legisladas.
 
Só uma pequena nota: uma coisa é certa, ficou bem patente no seu discurso que fica todo contente por usar um colete que diz TAE.
Congratulo-o por tal facto, e de certa forma agrada-me o seu espírito de auto-realização profissional. É ambicioso.
 
De: Medico8
Ao cuidado do Sr. Doutorazeiteiro

As suas respostas só vieram confirmar a minha suspeita, a sua inteligência è medíocre e a sua perspectiva de futuro retrógrada.
A sua ultima resposta, mostra sem duvida a falta de vocação que o sr. tem para o pré-ospitalar. O sr. interpretou o texto de forma errada, eu não fico contente por usar um colete a dizer TAE, eu até podia dizer no colete “varredor de rua” o que me faz feliz é saber que pratico emergência medica e que sou uma esperança e por vezes a ultima esperança de quem socorro, porque as vitimas já começam a ter medo de ir ao Hospital. Isso é que me coloca contente, percebeu? Se você gostasse mesmo de emergência pré-hospitalar, teria percebido à primeira e eu não necessitava de o estar a esclarecer de novo.
Mais, o meu discurso não é ofensivo, poderia admitir se tivesse dito que é ligeiramente, mas ligeiramente irónico. Quanto a ser desconhecedor, pergunto, em que mundo você habita??
Já alguma vez leu um artigo publicado por médicos igual ao que foi publicado pelos enfermeiros?? Acho que a resposta do ataque aos enfermeiros está respondida.
Já agora, poderia enviar-me a legislação dos actos médicos e dos actos dos enfermeiros?? Não necessita de enviar a da higiene nem a preparação das camas que essa área é dispensada na minha função.
Só mais uma coisa, eu não falei pela minha classe, falei por mim. Não preciso de me encobri em nenhum movimento como o senhor para expressar seja o que for.
Ahhhh… Um ultimo ponto, pensei que me desse mais luta, mas a sua argumentação é muito escassa.
Ass: Medico8
 
Estimado amigo,
penso que anda um pouco confuso em relação às funções dos Enfermeiros.
Mas diagnostico-lhe um sério sentimento de inferioridade patente.

"Já alguma vez leu um artigo publicado por médicos igual ao que foi publicado pelos enfermeiros??" - Realmente não. Se os Enfermeiros ainda ligam alguma coisa ao vosso discurso repetitivo, os médicos simplesmente ignoram-vos.


Por fim, envio-lhe legislação, para que não restem dúvidas do que é que os técnicos podem fazer, e o que os Enfermeiros podem fazer:

Diário da República I série B n.201 de 19 de Outubro de 2005 na página 6107 revela relativamente ao conteúdo funcional dos TAE:

a) Prestação de socorro pré-hospitalar na vertente
não medicalizada;"

No mesmo diário, mas na página 6104, está descrito o seguinte conteúdo relativo aos Enfermeiros:

c) Actuar ao nível do sistema de socorro pré-hospitalar
na vertente medicalizada;



E não é pela raiva e ódio que revela para com os Enfermeiros que isto vai mudar. É o que distingue os médicos/enfermeiros dos restantes técnico: é a vertente medicalizada.


Uma nota final, só para lhe dizer que comigo e com todos os colegas com que trabalho, pode ter a certeza que os técnicos fazem exclusivamente o que está descrito no seu conteúdo funcional. Em ultima instância, e como pessoa receptiva que julgo ser, autorizo sugestões, mas nunca passam ou passarão disso mesmo, sugestões.



Abraço.

p.s. - apesar de tudo ainda não me esclareceu, porque é que gosta de falar dos Enfermeiros, dizendo que no curso base blá, blá, blá, sendo que os médicos também não possuem formação em emergêcia no curso base. Também quer acabar com os médicos no pré-hospitalar?
 
É lá, estive ausente durante uns tempos e o que leio aqui?? Uma entidade, que se denomina, ou auto identifica com o epíteto de médico8, mas que afirma ser TSA, ou será TLC ou TAE (com o devido respeito: o que é isto? mais uma pseudo-profissão para a já concorrida área??? Perdoem-me a ignorância, mas estes pseudo-cursos são piores do que cogumelos: irrompe um a cada a esquina. Mas também aqui os culpados somos nós, que a troco de uns tostões promovem formação a indivíduos (alguns vindos de áreas como a sociologia, psicologia ou engenharias, e outros de área nenhuma, portanto matarruanos) que posteriormente utilizam esse mesmo atributo para dizerem e defenderem umas coisas, como se de teses de mestrado se tratasse (embora com o recurso a um corpo lexical bastante limitado, como facilmente se poderá depreender pela linguagem escrita apresentada nos comentários anteriores).
Já agora estimado médico8, esse número final, o 8 tem algum cariz sentimental, ou terá sido a média final de secundário? Então e outra dúvida: existe uma classe de TAE ou GPS, ou lá o que é?
Sabe, também eu falo por mim, não pela minha classe; e quando refere que não consegue distinguir ninguém num hospital, porque estão todos vestidos de branco, bom, então eu fico assustado porque isso revela, na melhor das hipóteses, que tem um deficit de visão, o que à partida e no imediato deveria ser condição de exclusão para condutores de veículos (dos bombeiros, vmer, ou oura qualquer).
Já agora, se é TAE (ou lá o que isso é), porque é que se identifica como médico8? Será um sonho de infância, do tipo, já que não consigo ser médico, e muito menos enfermeiro (e pelos vistos bombeiro também não), então vou ser TAE, curtir à brava a adrenalina que é conduzir o carrito amarelo, com as luzes berrantes azuis a rasgar o também azul golfinho do céu (fantástico - não digo patético porque estaria a colocar no mesmo saco (não azul como o de felgueiras) todos os elementos que compõem uma VMER.
A única argumentação que encontro e considero como FRACA, EXÍGUA e MINGUADA, só mesma a de sua excelênia.
Bom, para já é tudo (porque presumo que também aqui irei ter motivos de conversa!).
Aquele abraço!
 
Boa noite,
não sou profisisonal de saúde, mas só gostava de dizer que a pequenez dos alguns tugas reflectem-se nos suas ambições pouco fundadas.
Com pouco mais de 200 horas de formação e já querem ser "senhores".
Transpondo para o meu caso (advogado), qualquer sercretária(o) com uns anos de exoeriência já se julga advogado e até dá os seus palpites. Ridiculamente português.
Típico.
Toda a gente sabe de leis, sabe de deveres e direitos, mas isso não os torna advogados, e o mesmo se aplica a quem tem umas horitas de formação.
No Verão passado assisti a um episódio no mínimo caricato, onde um senhor das ambulâncias (vulgo tae) maltratava que passava (incluindo automobilistas) no local do acidente, querendo exibir-se, o que suscitou até indiganção nos populares. Após falar mal para uns bombeiros, que diga-se de passagem não aparentavam mais de 18 anos, lá chegou uma senhora do carro médico (que não consegui perceber se era médica ou enfermeira), e literalmente berrou ao dito "heroi" para se calar e ir apanhar um pouco de ar fresco e voltar quando estivesse mais calmo.
Mas não acaba aqui. Mais tarde quando uma senhora com uma certa idade (60/65 anos) comentava algo, o dito senhor indigando perguntou-lhe o que é que ela percebia de saúde e ainda teceu comentário sobre "mirones".
Mais tarde a mesma senhora do carro médico, veio junto dele, comentou algo que não se percebeu, e este ficou a arrumar alguns sacos e a juntar luvas brancas que estavam espalhadas pelo chão, mas sempre com cara de enjoado.
Com tecnicos assim, qem quer inimigos?

Desculpem a sinceridade, mas não podia deixar passar esta possibilidade para exprimir a minha opinião.
 
O último comentário não poderia ser mais elucidativo.
Infelizmente a Enfermagem ainda é vista por bastantes pessoas como uma profissão "facilmente practicável", "intelectualmente desinteressante", "nada exigente" e "de formação escassa". Quem de nós nunca ouviu alguém não enfermeiro a vangloriar-se dizendo que administra fármacos injectáveis. Pois não é isso que os torna, sequer, mini-enfermeiros! Ou quase-enfermeiros! A simples execução de uma técnica, cuja simples repetição do processo levará a um domínio da mesma, não caracteriza a intervenção do enfermeiro. Caracteriza, isso sim, o juízo terapêutico inerente à mesma. E juízo terapêutico, caros colegas, é coisa que os TAE nunca terão, pela escassez da sua formação.
Por possuírem conhecimento de TÉCNICAS de emergência, pelo facto de as aplicarem com base numa SUSPEITA de determinada situação,não passam de técnicos não especializados. E não, não são como os paramédicos nos EUA...não se podem comparar situações incomparáveis.
Abraço.
 
Muito bem ate e de se rir, quando se esfolam vivos por um "TITULO", quando se esquecem de um juramento que se faz,(se ainda me lembro por que ja la vão 10 anos) que o fiz, mas que neste anos e claro como tudo aprendi a dar brilho a minha profissão pela experiencia vivida, e pelo esfoço de tentar cumprir com minha profissão, meu Senhores ocupem seus tempos fazendo uma reflexão sobre o tema SOCORRO e HUMILDADE.
 
De:Medico8
Ao Cuidado do “doutorenfermeiro”

O senhor “diagnostica-me um sentimento de inferioridade??” Agora os enfermeiros já podem fazer diagnósticos?? Limite-se à sua insignificância de “mordomo” de medicina. O sr. Não diagnostica nada, não queira ser mais do que aquilo que é.
Quanto ao sentimento de inferioridade, tenho a dizer que li outros artigos publicados no blog e você sim, tem um sentido de inferioridade bem patente nos textos. E a imagem do burro do shreck está muito bem aplicada, você faz-me lembrar o momento em que o burro começa a saltar no meio dos bonecos a dizer, “escolhe-me a mim”, “estou aqui,olha,olha,escolhe-me a mim” apenas procurando atenção.

Como o doutorenfermeiro vive num mundo só seu, quero dizer-lhe que os médicos não se opõem à nossa PROFISSÃO nem nos ignoram, apenas não se sentem ameaçados, porque nada fazemos para ameçar quem quer que seja. Apenas uma minoria de enfermeiros fragilizados, frustrados, com falta de realização pessoal e profissional pensando que os TAE querem ocupar o seu lugar, acha mesmo sr doutorenfermeiro??
O sr. Não acha que a enfermagem está ao alcance de qualquer um desde que a queira seguir?? Estou a falar apenas numa questão de escolha, foi o que nós escolhemos e queremos ir mais longe na nossa PROFISSÃO e não será uma minoria de frustrados a impedir que a nossa formação seja cada vez mais rica, e que cada dia que passe apostem mais em nós.

Ainda bem que estas minorias existem, fazem-nos mais fortes e a ter mais orgulho no que somos, pois conseguimos ver a humildade que possuímos e empregamos no nosso dia a dia.
Não tenho raiva nem ódio pelos enfermeiros pois isso seria dar muita importância ao sr “doutorenfermeiro” e nem todos os enfermeiros são iguais e partilham da sua opinião e dos acéfalos que o seguem.

Eu já lhe expliquei o porque de atacar os enfermeiros e não os médicos, mas a sua capacidade de raciocínio é tão reduzida que não compreendeu o Português simples aplicado. Eu nem ninguém pretende terminar com os médicos na EPH, o que quero mostrar é que com uma reduzida formação especializada, somos capazes de realizar qualquer tarefa que um enfermeiro pratica enquanto “mordomo” da VMER.

Peço-lhe uma coisa, não volte a dizer que a enfermagem é uma ciência…. É que assim não disfarça o quanto ridículo o sr. é….


Ao Hugo Roque…

1. Não sou nenhuma entidade.
2. Se não percebeu se eu era TAE ou TLC ou seja o que for, eu sou TAE (estava bem escrito nos textos e repetidamente, tem de estar mais atento)
3. Quanto ao facto de me identificar como Medico8 e ao significado do 8 está também clarificado no texto.
4. Aconselho-lhe um explicador ou que pegue de novo nos livros de Português, porque chego à conclusão que não sabe ler e foi mais um que chegou a enfermeiro por Cunha.



Ao cuidado de Rui

Não me classifique como pretendente a mini-enfermeiro, não me ofenda por favor……
 
Este será o último comentária que teço em resposta ao médico8.

1 - Não, a Enfermagem não está ao alcançe de todos. Existe um limite de vagas. Medicina, seguindo a linha do seu raciocínio também está ao alcançe de todos. Se não entrar em Portugal, entra em Espanha, ou outros países.


2 - Os senhores não têm formação suficiente para se realizar os mesmos pocedimentos que os Enfermeiros. Não é só fazer, é preciso saber porque se faz. Mas supondo num cenário altruísta que até pudessem saber alguma coisa, não podem fazer, porque simplesmente não está consagrado na lei.


3 - Como lhe digo e repito, os médicos não vos dão qualquer importância visto que a vossa influência no processo de medicalização é nula.


4 - Recordo que a vossa ira para com os Enfermeiros, teve inicio quando os Enfermeiros foram falados para começarem a tripular a VMER. Recordo-me bem, que na altura os senhores acharam que essa proposta não iria a avante, o certo é que hoje em dia para se tripular uma VMER só é possível aos médicos ou enfermeiros. A lei contempla ainda os TAS, pois não pode "correr" com os mais antigos da VMER. Quando esses que ainda existem sairem as VMER serão 100% tripuladas por Enfermeiros. É o objectivo. Foi o objectivo que vossas excelências contestaram. Com ou sem os vossos protestos, os Enfermeiros tripulam agora as VMER.


5 - A sua profissão nem sequer é reconhecida e contemplada na Classificação Nacional de Profissões. Nessa mesma classificação, a Enfermagem está classificada como profissão intelectual.


6 - Na EPH (particularmente VMER) não há uma linha rígida que separe ambas as profissões (médico/enfermeiro). Um exemplo, classico é a intubação feita por enfermeiros, em múltiplos casos.

7 - Se os enfermeiros que tripulam VMER são assim uns "mordomos", como o sr. refere, explique-me porque é auferi-mos uma remuneração hora bem mais elevada do que o senhor. Não reflectirá a responsabilidade? Ou serão todos "mordomos" pagos assim?


Fim do meu comentário.
 
A ética define a base de conduta, ou seja, o conjunto de valores morais e legais que normalmente se esperam do desempenho do profissional na sua actividade. Os profissionais de saúde, no desempenho da sua actividade, têm por objectivos providenciar apoio médico competente, proteger a vida humana, minorar o sofrimento, evitar o agravamento das lesões e efectuar o seu dever com respeito pela dignidade humana.
Os cenários da emergência pré-hospitalar são muitas vezes complexos e o técnico de saúde será muitas vezes confrontado com a lógica do trabalho habitual. O cumprimento dos objectivos acima citados não passam apenas pela competência técnica mas também pelo conhecimento e respeito de normas referentes à conduta, consentimento e privacidade das vítimas, triagem e obrigações morais e legais.
O mínimo da capacidade de desempenho que se exige a um profissional de saúde será a capacidade regular da sua classe profissional, quer isto dizer que, o padrão de referência para o desempenho é a aptidão de um profissional comum que exerce a sua actividade de acordo com as normas e critérios compatíveis com a competência média da sua classe profissional. O mesmo conceito aplica-se ao Tripulante de Ambulância.
A emergência médica obriga ao conhecimento de protocolos de actuação e ao estabelecimento de prioridades.

O SAV É PARA O MÉDICOS E NÃO PARA OS ENFERMEIROS!!!

Sou TAS com muito orgulho...
presto serviço numa VMER desde 1992.(não se falava de enfermeiros no pré hospitalar...)Só em sonho!!

AGORA TAMBEM QUEREM AS AMBULÂNCIAS??
E OS TAE ??SÃO PARA SER CERTAMENTE O : " "PRETO DA CASA AFRICANA""(SEM OFENSA)
OS TAE OU TAS FORAM FORMADOS PARA TRIPULAR AS AMBULÂNCIAS E PRESTAR O SOCORRO NECESSÁRIO ÁS VÍTIMAS NO PRE HOSPITALAR E NÃO NO INTER HOSPITALAR!!!
ACABEM COM OS RÓTULOS NO PRÉ HOSPITALR, TODOS SÃO IMPORTANTES MAS COM RESPEITO, DIGNIDADE E PROFISSIONALISMO...

O TRABALHO DE EQUIPA, É FUNDAMENTAL NO PRÉ HOSPITALAR!!

DEIXO AQUI UM BREVE HISTORIAL SOBRE AS AMBULÂNCIAS :

Há algumas décadas, a ambulância destinava-se unicamente ao transporte do doente ou sinistrado, não possuindo equipamento para a prestação de cuidados de emergência. Além de não existir qualquer formação para as tripulações, o espaço era igualmente limitado.
A partir dos anos 70 surge a necessidade de algum cuidado no transporte do doente ou sinistrado. As ambulâncias começam a possuir algum equipamento com o objectivo de prestar cuidados de emergência, sendo ministrados cursos de primeiros socorros às tripulações. As condições da célula sanitária sofrem melhorias significativas.
Em 1992, estabelecem-se as normas básicas do enquadramento da actividade de transporte de doentes efectuado por via terrestre, como actividade complementar da prestação de cuidados de saúde, pelo Decreto-Lei n.º 38/92, de 28 de Março.
Com o objectivo de regulamentar a actividade de transporte de doentes e normalizar os respectivos veículos, é publicada em 1993, a Portaria n.º 439/93, de 27 de Abril, que criou o primeiro Regulamento do Transporte de doentes, o qual definiu os tipos, características e equipamento das ambulâncias, bem como os requisitos das suas tripulações.
Pela necessidade de actualização do referido Regulamento, em consideração à norma europeia EN 1789, é publicada a Portaria n.º 1147/2001, de 28 de Setembro, que serve de base para a elaboração deste capítulo...
TAE OU TAS


OBRIGADO
 
Eu não me escondo por de traz do anonimato como alguns a atentam a minha profissão, Sou Tripulante de Ambulância de Socorro, e com muito orgulho.

O Sr. Doutor Enfermeiro e o seu sindicato se esqueceu de dizer que os seus associados “ Enfermeiros” que navegam neste Blog, que exercerem funções no Pré-Hospitalar, são obrigados a receber formação no INEM de Formadores que são Tripulantes Ambulância, quem têm a amabilidade de lhe ensinarem técnicas e procedimentos na área do Pré-Hospitalar, técnicas essas que não fazem parte da formação dos Enfermeiros em Portugal.

Sinceramente, será mesmo que os TA são assim pessoas tão medíocres e incultas para os senhores?

E como a Gula é um dos sete pecados Mortais, e dá fome passado algum tempo, e como a área do Pré-Hospitalar é como a informática, o que se faz hoje pode ser alterado amanha.
Agora quero saber quem vos vai dar formação?
Os TA certamente não devem servir.
Será que os senhores vão voltar ao antigamente?
Ou será que já estamos no antigamente? Principalmente na recepção dos sinistrados e doentes nos Hospitais?

Obrigado pela atenção dispensada
 
Doutorenfermeiro...
Em primeiro não vou me meter em briga que não é minha, mas não posso deixar de comentar, uma vez que sou TAS, vamos lá reavaliar isto tudo que se fala aqui, e se cada um dos integrantes de um sinistrado se por em seu lugar, tipo, TAS executar suas responsabilidades as quais recebeu formação.Enfermeiro as suas, tal como os medicos e os bombeiros...
Não acha que a vitima só tem a ganhar, pois nos meus anos de experiência com tal, vejo que tem trabalho para todos, junto a um sinistrado, e cada um tem uma tarefa importante a executar,mas parece utopia não é, uma vez que um quer sempre passar por cima do outro e ai está a confusão armada, não sabem que o maior prejudicado é a vitima (coitada que teve o azar de estar no local errado e na hora errada).
Bem doutorenfermeiro, espero bem que o Srº não esteja a generalizar a situação, pois já trabalhei em equipa e sei que funciona muito bem.
Sem mais comentários.Obrigado.
 
Sr. Reinaldo, disse que os TAS leccionam formação aos enfermeiros. Muito bem. Mas esqueceu-se de referir que também dão formação aos médicos.
 
Continuando. Por dar formação aos médicos/enfermeiros não demonstra a sua superioridade científica e técnica para com estes profissionais.
 
Exmo. Sr. Enfermeiro, após muito ter lido, ouvido e debatido sobre este tema anteriormente, sim porque não estou na área da Saúde á meia dúzia de dias nem anos, possuo uma formação de mais de 3000 horas no total em Emergência Pré-Hospitalar no seu conjunto e não tenho a quarta classe. Fiquei pasmado com as suas afirmações, que aqui me recuso a citar. O Sr. devia lembrar-se que representa uma Profissão e Profissionais dignos de respeito, tal como qualquer outra Profissão. Muito pouco tem de digno aquilo escreveu e que tem como ideal sobre a minha Profissão. Isso só demonstra a sua falta de integridade e respeito pelos seus semelhantes (humanos) e que devia respeitar ou então, é pura falta de educação.
Quanto ao lugar do Enfermeiro no Pré-Hospitalar, acredito e sou defensor que o mesmo tem lugar nele, assim como o Médico. Mas com as suas competências e responsabilidades que se encontram definidas na Lei, ou seja, o Enfermeiro, tem e deve ter lugar na ligação Pré-Hospitalar/Hospitalar, numa VMER de acordo com o modelo implementado actualmente.
Ao contrário do que o Sr. diz, não é uma tendência os Enfermeiros no Pré-Hospitalar, mas sim na ligação que deve existir com o meio Hospitalar.
Qualquer pessoa com a cabeça no seu lugar e em perfeito juízo, com o panorama socio-económico do nosso País (não me estou a referir á crise actual, mas sim numa retrospectiva de uma década para não ir mais longe), que tenha acompanhado a evolução na área, conheça a carência existente na área da Saúde, de Enfermeiros no meio Hospitalar, lhe dirá que aquilo que o Sr. aspira ou está esperançado que aconteça, não irá acontecer.
1º - A sua formação de Enfermeiro, é literalmente vocacionada para o meio Hospitalar;
2º - A carência de Enfermeiros no meio Hospitalar é de tal ordem, que não é possível formar pessoas suficientes em tempo útil para o meio Hospitalar, quanto mais para o Pré-Hospitalar.
3º - Economicamente não é viável!
4º - Já existe uma Carreira boa ou má, o know wow de muitas décadas por parte daqueles que o desenvolveram e que dele fizeram a sua opção de vida.
Muitos mais motivos ou razões lhe poderia aqui enumerar, estes são apenas alguns, muito poucos existentes para que isso, que o senhor quer que aconteça, não aconteça. Não que isso seja algo de mau se acontecer, porque não o seria certamente. Mas se colocar o seu orgulho Profissional de lado e analisar as coisas, vai certamente dar-me razão.
O que certamente vai acontecer, é rever-se a formação e princípios onde o actual TAS/TAE se baseia e reformular-se o curso e a própria Carreira.
Sr. Enfermeiro, não tenha receio da evolução, ninguém lhe irá tirar o lugar que é legitimamente seu.
Ninguém lhe quer “roubar” competências como aqui quis insinuar, queremos sim adquiri-las para melhor servirmos a População.
O Sr. tem as suas competências tal como eu tenho as minhas.
O Sr. luta por mais e melhor para si, para a sua Carreira, para a sua Classe para melhor servir a População, tal como NÓS.
Em vez de criticar, participe, de uma forma activa e positiva na reforma que ambos defendemos. É disso que o nosso País precisa!
Dê ideias construtivas e não se limite á mediocridade de fazer comentários completamente absurdos e ofensivos a outras Classes.
Tenho toda a convicção de que se o fizer ou fizerem, irá ou irão ver que a nossa População e Sociedade irão ficar gratas!!!
Para terminar, gostava de lhe dizer que é muito pouco digno fazerem-se comentários como os que fez e não colocar o seu nome por baixo. Eu tenho plena consciência que não ofendi ninguém e desde já deixo aqui o meu nome e local de trabalho para o caso de me querer ou querem contactar.
Não deixo o meu contacto pessoal, por motivos óbvios e que julgo não serem necessários estar aqui a descrever.

Trabalho no INEM em Lisboa, Rua Almirante Barroso nº 36 para o caso de me querer contactar e falar pessoalmente comigo. Facilmente me encontrará se desejar ser esclarecido ou ter uma conversa inteligente e com respeito.
PS – Inteligente e com Respeito volto a repetir, condição indispensável para poder existir uma conversa comigo!

Rui Manuel Veloso Teixeira
 
De: Medico8
Ao cuidado de: Doutorenfermeiro
Eu não pretendo calar-me por isso estou de novo a responder

Seguindo a minha linha de raciocínio, a medicina também está ao alcance de todos, você é que não esteve à altura de a alcançar.


O senhor é chego e analfabeto?? Alguém aqui escreveu que tem formação suficiente para realizar os mesmos procedimentos que os enfermeiros?? O que aqui já foi dito, é que se nos derem formação especializada, não é difícil lá chegar. Quero que saiba que tudo aquilo que faço sei porque faço, e faço usando a minha inteligência e sabedoria, não preciso que os medico pensem por mim para depois actuar sobre as suas ordens. É a esse ponto que quer chegar usando para isso a emergência pré-hospitalar?? Para isso terá de deixar de ser “mordomo” da VMER e vir tripular uma ambulância. Mas lamento desapontá-lo, essa função já está preenchida por TAE, tente bater na porta em frente da nossa cede, é uma clínica veterinária, pode ser que seja aceite e os animais não se queixam.

Não podemos efectuar nada mais do que a nossa formação permite porque não temos mais formação. Mas garanto-lhe que iremos ter, e essa mesma formação e actos que dela forem ministrados no pré-hospitalar, estarão legislados só para o ver satisfeito e realizado, pois quero acreditar que é isso que o preocupa e nada mais.

A ira que alguns TAE tiveram quando os enfermeiros foram receber formação da parte de alguns TAE para tripularem as VMER e que acharam que a proposta não iria avante e tiveram quem sabe o sabor da derrota, é exactamente o que alguns enfermeiros estão a passar e nomeadamente o senhor, que no final irá sentir o sabor da derrota.
Por estar numa profissão intelectual não se julgue um, cuidado, pode estar-se a enganar.

Diz que na EPH (particularmente VMER) não há uma linha rígida que separe ambas as profissões (médico/enfermeiro). Quem lê isto até faz parecer que os medico e enfermeiros andam de mão dada. Quer inverter os papeis?? Você faz de medico e o medico faz de enfermeiro e veríamos o resultado. Nunca se esqueça que o medico é o cérebro e o sr. Não passa de um “mordomo”.

Quanto à remuneração dos “mordomos” ser distinguida por responsabilidades, pergunto-lhe se a sua responsabilidade como responsável por uma vitima é diferente da responsabilidade de um TAE pela mesma vitima??? Ou a vitima é mais importante quando sobre os cuidados de um enfermeiro do que quando sobre os cuidados de um TAE? Penso que não, logo existe uma enorme injustiça com a remuneração de todos os “mordomos” que referiu…

Para mais esclarecimentos, sabem onde me encontrar, disponível 24h por dia, aqui mesmo neste blog….
 
VALHA-ME!!!! ESTE MEDICO8 É UM IDIOTA CHAPADO.

O MÉDICO É O CÉREBRO...??!!??
O MÉDICO É O CÉREBRO QUANDO ESTIVER SOZINHO!!!


EM RELAÇÃO AO COMENTÁRIO (MUITO MAIS INTELIGENTE) DO SR. RUI TEIXEIRA, SÓ TINHA UMA OICSA A ACRESCENTAR: A ENFERMAGEM NÃO É VIRADA PARA O MEU HOSPITALAR! A ENFERMAGEM É VIRADA PARA A SAÚDE TAL COMO A MEDICINA!

APROVEITO PARA O CUMPRIMENTAR PELO SEU COMENTÁRIO, SEM DÚVIDA O MAIS CONSTRUTIVO DOS TODOS OS TAE QUE CÁ COMENTARAM. PEÇO DESCULPA, MAS A MAIOR PARTE DELES NÃO DIGNIFICA A VOSSA PROFISSÃO, COM OS COMENTÉRIOS INFANTIS E POUCO LIMITADOS.


P.S. E NÃO É MARQUÊS, É MARQUES.
 
O médico tem (pelo menos deverá ter) um conhecimento muito mais profundo a fisiologia e de farmacoterapia.

É muito facil chegar a uma vitima instavel e fazer rolar os protocolos...

Lembram-se dos 4H's e 4T's

Quero ver um enfermeiro a fazer uma pericardiocentese...

Ou a administrar um fibrinolotico plenamente convicto que conseguirá corrigir qualquer "supresa" que possa aparecer...

Cérebro??? É médico, não enfermeiro ou TAE.

Se nós, os TAE's (que muitos de nós temos curso de SAV) entendemos isso, porque é que vocês não?

Será por falta de formação?
 
O médico tem (pelo menos deverá ter) um conhecimento muito mais profundo de fisiologia e de farmacoterapia.

É muito fácil chegar a uma vítima instável e fazer rolar os protocolos...

Lembram-se dos 4H's e 4T's

Quero ver um enfermeiro a fazer uma pericardiocentese...

Ou a administrar um fibrinolitico plenamente convicto que conseguirá corrigir qualquer "surpresa" que possa aparecer...

Cérebro??? É médico, não enfermeiro ou TAE.

Se nós, os TAE's (que muitos de nós temos curso de SAV) entendemos isso, porque é que vocês não?

Será por falta de formação?

Assinado: AL (TAE)
 
estou a ver que o sr. nunca deve ter visto num hospital, por exemplo, enfermeiros em acção.
Um conselho, um dia, se quiser saber alguma de emergência, vá ver uma equipa REANIMA intrahospitalar, e aprenda algo com os enfermeiros especialistas.
 
uma equipa, se funcionar bem, o cérebro está divido pelos elementos. Se não sabe isso, é porque pouco percebe de saúde.
 
a todos os comentadores muito boa tarde há algo que os srs Enfermeiros ainda não compreenderam que eles são " ó sr enfermeiro preciso da arrastadeira",ó sr enfermeiro tenho fome", ó sr enfermeiro preciso de ir a casa de banho,e em relação aos TAE´s, bombeiros, cruz vermelha, "sr bombeiro a minha mae nao respira ajude me", "olhe o meu Pai doi lhe o peito", " sr bombeiro o minha namorada foi atropelada preciso de AJUDA. Ai esta a grande diferença perceberam SR`s DOUTORES E ENFERMEIROS
 
Atenção, pedia a todos os colegas e amigos, o favor de moderarem um pouco os seus comentários e manter o respeito. Não podemos fazer desta discussão uma batalha campal com argumentos absurdos a servirem como pedra de arremesso. Desde já agradeço a vossa compreensão.

A emergência pré-hospitalar poderá evoluir se todos trabalharmos como um equipa.
 
Epá estou a ver que afinal os "eleminados" querem subir muito depressa . Eles que se apliquem e aperfeiçoem a sua profissão no hospital e que deixem as ambulâncias em paz.(Nem nos USA eles lá andam)Que quando chego ao hospital eles sejam carinhosos para os doentes,sou de acordo que eles ajudem os tripulantes a passar o doente mas com formação para tal pois devem ter melhor formação que o A.A.M. Porque quando se "toca" muitas ovelhas ao mesmo tempo algumas ficam para trás. Sou de acordo que também andem nas VMER para sevirem os médicos.

Sou T.A.T. e bombeiro há 12 anos ainda não tirei o TAS pq sabemos como funciona a formação neste País, mas tenho expperiência no Pré-Hospitalar e conheço bons professores e sempre que posso estou lá para saber mais um pouco , não é um cartão que me dá critério se fizer bem feito, se não sei ,também não invento, sou do tempo que se dizia/fazia "quem não sabe, não mexe!".
Já vi de tudo em TAS, enfermeiros e médicos (a errar) sou fico mais desanimado quando se dizem profissionais e fazem "bosta" mas errar é humano pode é sair caro.
Bem Haja a todos eprincipalmente aos TAS/TAT/BOMBEIROS e socorro pré-hospitalar, que são os primeiros a encarar as situações depois no hospital é só fazer tratamento e mudar algálias e colocar arrastadeira até o Sr. Dr. dar alta e depois novamente os BOMBEIROS transportarem para casa. UM ABRAÇO- RMSF
P.S.: Em especial deixo aqui UM GRANDE ABRÇO a uma pessoa 5*-ao enfº GUSTAVO q faz VMER no Curry Cabral e ao Médico8 que é um excelente profissional nos "tinoni" e como pessoa também. BEM HAJA.
 
De: Medico8
Ao cuidado do:"Doutorenfermeiro"

O Senhor, Agora e aqui mesmo já fala em trabalharmos como uma equipa para se evoluir o pré-hospitalar??

Noto uma brutal diferença no seu discurso de ontem para hoje, que terá mudado a sua opinião???

Levantou a discussão que levantou e agora diz que devemos trabalhar todos como equipa!!!

Seu malandro, já descobri... Isto é para os apanhados, não é??
 
SE NÃO SABE, TRABALAR EM EQUIPA NÃO INVALIDAD QUE CADA UM TENHA UMA FUNÇÃO ESPECÍFICA. HÁ COISAS QUE O TAS PODE FAZER, OUTRAS NÃO, SAO RESERVADAS A MÉDICOS E ENFERMEIROS.
 
POR FALAR NISSO, NÃO O VI HÁ DOIS ANOS EM POREC (4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR) ONDE ESTIVERAM PROFISSIONAIS DOS eUA, Eslovénia, Itália, Espanha, Hungria, República Checa, Sérvia e Montenegro, Croácia e Japão. UM CONGRESSO PARA MÉDICOS E ENFERMEIROS.

ESTEVE LÁ?
 
Boa tarde a todos! Exmos. Srs., é certo que se têm ultrapassado em muito os limites da decência e educação e não querendo alimentar mais este tipo de discussão fútil, porque é isso mesmo que aqui estamos a falar e a alimentar, deixo aqui a questão:
Não se estará apenas a reagir sem reflectir de ambas as partes?
Será que chamar Curandeiros a alguém que luta por uma melhoria no sistema é correcto?
Será que dizer que os Técnicos de Ambulâncias de Emergência, porque é isso que significa TAE, e espero não voltar a ter que ler alguém a chamar-me nomes, são Auxiliares de Acção Médica é correcto?
Será que é correcto a sua ou vossa Ordem vir para a opinião pública dizer que estes mesmos Técnicos são meramente curiosos e aprendem a fazer partos á custa das situações e infelicidades dos outros?
Será que tudo isto que acabei de escrever e foi proferido pela vossa Classe é mais intelectual?
Deixemos por favor os títulos de lado, as agressões e o nosso instinto primitivo de parte nesta questão, porque estamos a falar do futuro e qualidade do Socorro em Portugal e a Nossa População merece bem mais inteligência que aquela que se tem demonstrado da nossa parte! E estou-me a referir a ambas!
Querem discutir conceitos? Ok
Querem discutir princípios? Ok
Querem discutir o que será melhor para o nosso sistema? Ok
Querem debater algum assunto de interesse público? Ok
Mas por favor, não me venham com Títulos, intelectualidade para depois terem este tipo de postura.
Rui Teixeira
 
Chamar-vos auxiliares de acção médica é desrespeito?

Também temos formação na nossa área.


Clara - AAM
 
É, Clara, e não é por desprimor aos Auxiliares de Acção Médica que merecem todo o Respeito. Agora isso torna-se uma falta de respeito quando a Ordem dos Enfermeiros o faz, sabendo que nós não somos Auxiliares de Acção Médica mas sim Técnicos de Ambulâncias de Emergência. E sim, eu sei, os Auxiliares de Acção Médica tambem são Técnicos, mas com competências e funções completamente diferentes. se disserem que os Auxiliares de Acção Médica são empregados de limpeza, certamente tambem vai ficar ofendida, pois nao é uma questao de uns serem melhores que outros, mas sim de ter que existir uma destinção entre Carreiras.
espero ter sido clara e que isto nao vá criar agora outra discussão fútil.
Rui Teixeira
 
Como se costuma dizer, mais vale tarde do que nunca! Pois bem, é chegada a hora da resposta. Não por obrigação, necessidade ou queixume! Apenas e tão só por carolice. Procurarei ser sintético e acessível (o quanto baste).

Ao tae8 (o que assina como médico8):

- começo por fazer uma confissão: realmente sou um fervoroso consumidor de música; e numa análise introspectiva ao seus comentários ou notas explicativas (mais de natureza literária do que científica) relativas ao tema abordado, e mais concretamente, a sua observação orientada aquilo, que eu próprio definiria dogmaticamente como o culto da mediocridade na sua vertente mais expressiva (entenda-se: formas de acesso ao ensino superior = CUNHA); o único arranjo ou refrão musical que me irrompe ao espírito é exactamente este: "deixa-me rir", do Jorge Palma (conjecturo que sabera a que artista me refiro)

Com efeito, e talvez para seu próprio gaúdio, também eu tive que meter uma cunha. Literalmente, meter a cunha. Lembro-me com se fosse hoje, naquela tarde atríbulada. Tudo em meu redor parecia desmoronar-se. Eram comandos de televisão, taças e até mesmo um gatinho em porcelana, que me havia sido dado ainda em tenra idade. Parecia um sismo; mas mais não era do que a máquina de lavar aos solavancos. Foi árdua a tarefa, mas lá consegui engendrar uma solução: uma bela e valente CHUNHA, daquelas mesmo, mesmo boas...tão boa que dificilmente encontraria outra. E lá consegui, à custa da CUNHA, os meus intentos!

Aqui fica pois, descrita na primeira pessoa, aquela que foi: "UM DIA DE CUNHA - MISTURA EXPLOSIVA"

Aquele abraço!
 
No seguimento da posição tornada pública pelo Sindicato dos Enfermeiros em que exige a integração destes profissionais na equipas de emergência, vem a Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar tomar a seguinte posição:

1. A exigência efectuado pelos Sindicato dos Enfermeiros é descabida e sem qualquer fundamento, traduzindo unicamente o corporativismo que existe nas classes da saúde que apenas tem contribuído para a instabilidade neste sector.

2. O Sindicato dos Enfermeiros, quando refere "a prestação de cuidados de saúde primários é competência dos enfermeiros e não pode ser transferida para outros profissionais que, por falta de preparação, possam pôr em risco os doentes transportados em situações de emergência", faz, através de uma afirmação que somente pode ser considerada difamatória, uma tentativa lograda de incentivar o medo na população mediante declarações sobre outros profissionais que têm sido, esses sim, o garante do socorro às populações há mais de três décadas, com qualidade reconhecida.

3. A ANTEPH esclarece ainda que desconhece a proposta de formação apresentada pelo INEM e que espera que a mesma corresponda às necessidades de formação que os tripulantes de ambulância têm vindo a exigir e que têm tardado a ser implementadas, mais uma vez em consequência de atitudes corporativistas, como a posição tornada agora pública por parte do Sindicado dos Enfermeiros.

4. A ANTEPH esclarece ainda que em Portugal existem Tripulantes de Ambulância desde que foi pela primeira vez criada uma rede de ambulâncias, anteriormente designada por Serviço Nacional de Ambulâncias, tendo este sido substituído na década de 80 pelo Instituto Nacional de Emergência Médica. Hoje existem perto de 3.000 Tripulantes de Ambulância de Socorro e cerca de 40.000 Tripulantes de Ambulância de Transporte, distribuídos pelos quadros do INEM, Bombeiros, Cruz Vermelha e empresas de transportes de doentes, que têm sido o garante do socorro de doentes e sinistrados desde que se conheça a existência de um serviço de ambulâncias.

5. Os tripulantes de ambulância de socorro/emergência são profissionais qualificados dentro das competências legais que são atribuídas à actividade em que estão enquadrados e que merecem ser respeitados pelas outras classes. Por este motivo, lamentamos que uma entidade como o Sindicato dos Enfermeiros dê cobertura a posições deste tipo, que apenas podemos enquadrar como uma tomada de posição particular de algumas pessoas que usam o SE para atingir os seus objectivos.

6. A ANTEPH defende que a actividade de emergência pré-hospitalar deve ser realizada por técnicos devidamente preparados e qualificados para o efeito. Por este motivo, tem vindo a exigir o aumento das competências dos actuais tripulantes de ambulância de socorro, transitando esta classe para o nível dos técnicos de emergência médica, que actuam exclusivamente sobre a orientação de médicos, à semelhança do que já acontece praticamente por toda a Europa.


Ass: Gpr4
 
Segundo tudo o que tenho aqui lido fiquei confuso... Afinal, qual é a diferença entre um médico e um enfermeiro?

Ou melhor, qual é a diferença entre qualquer profissão e um enfermeiro?

Se os enfermeiros querem prescrever medicação; fazer SAV sem presença de um médico; fazer pré-hospitalar sem TAE ou médicos… Se pertencem a uma classe intelectual e cientifica multifacetada e têm uma ordem própria com plena autonomia; se querem ir para para as escolas dar aulas de Educação Sexual às crianças, assumindo portanto o papel de um sexólogo e de um docente (julgando-se assim peritos em sexologia e em ensino); se se dizem peritos em fisioterapia, quando há uma licenciatura para tal; se se dizem peritos em nutrição, quando há uma licenciatura para tal; se se dizem peritos em gestão hospitalar quando há uma licenciatura para tal; …

Acho melhor todos os profissionais de todas as profissões se demitirem de suas e competências em prol dos Senhores Enfermeiros que, por estarem desempregados se julgam no direito de desempenharem todas as funções.

Por enquanto, julgo que ainda não se viraram para as Engenharias, no entanto tenham Medo Srs. Engenheiros, tenham muito MEDO.

Ass: AL
 
Segundo tudo o que tenho aqui lido fiquei confuso... Afinal, qual é a diferença entre um médico e um enfermeiro?

Ou melhor, qual é a diferença entre qualquer profissão e um enfermeiro?

Se os enfermeiros querem prescrever medicação; fazer SAV sem presença de um médico; fazer pré-hospitalar sem TAE ou médicos… Se pertencem a uma classe intelectual e cientifica multifacetada e têm uma ordem própria com plena autonomia; se querem ir para para as escolas dar aulas de Educação Sexual às crianças, assumindo portanto o papel de um sexólogo e de um docente (julgando-se assim peritos em sexologia e em ensino); se se dizem peritos em fisioterapia, quando há uma licenciatura para tal; se se dizem peritos em nutrição, quando há uma licenciatura para tal; se se dizem peritos em gestão hospitalar quando há uma licenciatura para tal; …

Acho melhor todos os profissionais de todas as profissões se demitirem de suas e competências em prol dos Senhores Enfermeiros que, por estarem desempregados se julgam no direito de desempenharem todas as funções.

Por enquanto, julgo que ainda não se viraram para as Engenharias, no entanto tenham Medo Srs. Engenheiros, tenham muito MEDO.

Ass: AL
 
O Enfermeiro, tal como o médico, por exemplo, possui formação em várias vertentes, que podem ser aprofundados com a especialidade.
Os Enfermeiros actuam no campo da saúde e nada mais, tal como os Engenheiros actuam no campo da engenharia. Bem de facto, isto não é de todo verdade, há engenheiros a trabalhar como gestores de saúde, logo se existe alguém que trabalha fora do seu sector não são os Enfermeiros concerteza.
 
Sr. Marques boa tarde.Eu sou T.A.E. e fui ao POREC (4º CONGRESSO INTERNACIONAL DE EMERGÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR)e tambem não o vi lá!!!!!
Quem era o Sr.?era algum Dr que estava a dar a palestra?era o porteiro?empregado da limpeza?QUEM ERA O SR.
ah pois é ,eu era o moderador de alguns temas e sou T.A.E.
porque nem só medicos e enf.vão a esses congressos,a quantos é que já foi?se calhar só a esse.
Eu felizmente como conheço muitos médicos e enfermeiros a quais dei formação mas ainda bem que o não conheci porque desculpe a sinceridade o SR não deve valer nada enquanto enf.para fazer comentarios tão absurdos.
Com os melhores cumprimentos

T.A.E. com muito orgulho

P.S.quando precisar de um meio de socorro não ligue 112 porque vai aparecer um T.A.E. e pelos vistos o Sr não gosta.
 
ah desculpe esqueci-me quando o sr afirma que"HÁ COISAS QUE O TAS PODE FAZER, OUTRAS NÃO, SAO RESERVADAS A MÉDICOS E ENFERMEIROS."não é bem assim
será
HÁ COISAS QUE O TAS PODE FAZER OUTRAS NÃO CONCORDO MAS NÃO SE ESQUEÇA QUE O TAS NUNCA PASSA ALÉM DOS CONHECIMENTOS ADMINISTRADOS E OUTRAS RESERVADAS PARA MÉDICOS CONCORDO MAS PARA ENFERMEIROS?????
QUAIS????? DIGA ME LÁ QUAIS SÃO AS COISAS RESERVADAS QUE FAZ SEM AUTORIZAÇÃO MÉDICA? ENTÃO NÃO SÃO RESERVADAS PARA SI PORQUE TÊM QUE PASSAR PELO MEDICO
MAS O TAE PODE FAZER ACÇÕES SEM ACOMSELHAMENTO MEDICO, QUER QUE EU DIGA ALGUMAS OU O SR SABE OU ESTÁ INFORMADO OU LEU EM QUALQUER LADO
 
alguém sabe qual é a próxima VMER a ficar activa? ouvi dizer que que só teria médicos e TAE?

O médico é para a emergência e o TAE para limpar a VMEr no fim!

Já correram com os TAE das VMER, lembra-se?


Mas, pensando bem, de facto tem razão. Os TAE são os reis da EPH e do mundo!

Vale a pena não fazer um chavo na vida, ser um frustrado, tirar um pseudo-curso de 210 horas.... e ser um rei! Vale mesmo a pena!


Só espero é que o estado não se lenro disto, senão, todas as licenciaturas passam para 210 horas... para quê mais? Vai tudo dar a mesmo!!!!!
 
Diz o VIVÓ...

"O médico é para a emergência e o TAE para limpar a VMEr no fim!"

...deve ser enorme a tua experiência...brilhante exemplo de pensamento e comentário tacanho!

"Vale a pena não fazer um chavo na vida, ser um frustrado, tirar um pseudo-curso de 210 horas.... e ser um rei! Vale mesmo a pena!"

...carissimo...cada um faz da vida o que muito bem entende, e se considera que os TAE não fazem nada na vida...tenho todo o gosto em o convidar a fazer um estágio de observação em uma das ambulâncias do INEM na cidade de Lisboa.
Mais, gostaria de o informar de que apesar de ser licenciado em Psicologia Clínica não sou minimamente frustrado por ser Tripulante de Ambulância de Emergência, nem eu, nem nenhum dos meus colegas que verdadeiramente gosta do que faz...se sente frustrado e ainda lhe digo mais...são 210 horas, não por opção nossa...porque nós queremos saber sempre mais mas talvez pela influência de poderes instalados.
Ser um rei...?? Rei foi o Afonso Henriques...e mai nada o resto é balelas!
 
cala-se! se tivesse lugar como psicólgo não andava aí como TAE! logo, concluo que deve ser mais um frustrado que só encontrou carreira cOmo TAE.
Aliás, se calhar o país perdeu um bom psicólogo e se calhar ganhou um TAE rancoso e frustado!

Já agora, uma pergunta de caracter pessoal: porque não ingressou no INEM como psicólogo?
 
Cala-se???

Nem o mais pintado quanto mais voce que nem sequer se identifica!

Mas ainda lhe digo:

Se as galinhas tivessem dentes...
Se eu fosse rico...
Se voce tivesse entrado para Medicina...
A vida é feita de "ses"!

Frustrado não sou e encontrei outra carreira como TAE!

Rancoroso? Nem com nada nem com ninguem!

Não ingressei no INEM como Psicólogo porque o lugar já estava assegurado por uma colega minha, como em qualquer uma das outras delegações.

Sinto-me bem a desempenhar as funções que me foram atribuidas, quando adormeço faço-o com o espirito tranquilo de que fiz o melhor que podia para ajudar outro ser humano!

E por aqui me detenho neste comentário...despedindo-me!
 
De: Medico8
Ao cuidado do “VIVÓ”

Vejo que o sr. Gosta de humilhar os TAE com calunias infundadas, mas não tem mais prazer que eu em humilhar os enfermeiros com factos comprovados por todos os profissionais de saúde.

Se o TAE vai limpar a VMER no final do turno, e sabendo que tripulam a VMER como os enfermeiros, e que praticam tudo com ordem medica exactamente como os enfermeiros, não estou a ver quais as diferenças técnicas entre o TAE e o azeiteiro, ups, enfermeiro. Apenas difere no conhecimento teórico na vertente Hospitalar.

Aposto que o senhor não sabe fazer a avaliação de um acidente para dai prever as lesões provocadas pelo mecanismo de lesão. (Se não perceber alguma coisa, pergunte-me que eu explico)

Agora que ofendeu os TAE, quer virar-se também para os psicólogos e que são também TAE???
O senhor é que se deve mater calado. São uma mais valia como TAE, tendo as vitimas um apoio diferenciado nessa área que cada vez faz mais falta no pré-hospitalar.
Reforço de novo o comentário já desenvolvido por mim à algumas semanas, “As vitimas no pré-hospitalar, tem o privilégio, por direito, de terem todo o apoio emocional, apoio esse que é descorado no hospitalar, onde são deixadas ao abandono e que muitas vezes tem o desfecho que assisti em Santa Maria a semana passada. Uma pessoa faleceu no corredor, onde se encontrava desde as 18h00 para ser assistido por alguém e deram com ele as 21h00. Foi encontrado por um AUXILIAR DE ACÇÃO MEDICA, que o encaminhou para a sala de reanimação enquanto gritava “directo”.
Esse homem morreu abandonado, onde estavam os enfermeiros das palavras amigas, que tanto aqui tem sido defendidos pela classe de enfermeiros?

Cale-se sr. Eliminado VIVÓ!!!!!!

Espero que muitos outros colegas como o Felipe Louro queiram encontrar nos TAE uma nova carreira e dessa forma melhorarmos os cuidados pré-hospitalares.

Como aqui já foi referido, os enfermeiros tem varias áreas de especialidade, nós os TAE podemos começar com esta especialidade, TAE psicólogo, eheheheheheheheh.

Como Fernando Pessa dizia :
 
De:Medico8

Como Fernando Pessa dizia :
“ E esta heinnn”
 
De:Medico8

Como Fernando Pessa dizia :
“ E esta heinnn”
 
Medico8,
voçê vem-me falar em ressaiados e frustrados quanto têm psicólogos como TAE?

Os enfermeiros têm mais conhecimentos na vertente hospitalar? ó homem burro, deixe-me dar-lhe uma notícia, tal como já se disse aqui, uma paragem intrahospitalar é tratada da mesma forma que uma pré-hospitalar!!! O conhecimento necessário é o mesmo! O mesmo se aplica a todas as outras condições clínicas!


Se quer falar com ressabiados de medicina, fale com os cursos onde a maior parte deles se encontra: dentária, farmácia, psicologia, etc...


o seu discurso é muito característico de quem tem conhecimentos muito limitados em saúde e de quem é mais ressabiado do quem as pessoas que voçê acusa!



Quanto mais voçes falam, mais se afundam... ou já não se lembram do que dizia quando os enfermeiros começaram a tripular vmer?

Lembra-se? Então olhe, os enfermeiros estão lá, e voçês bico calado! Engulam bem! Eu sei que a muitos ainda ficou atravessado na garganta, mas com o tempo desce!!
 
Será que uma PCR é tratada da mesma maneira no pré-hospitalar e no intra-hospitalar?

Nunca deve ter feito pré-hospitalar na sua vida...

1º No PH (Pré-Hospitalar), encontramos a vítima no mais variado nº de posições..., no IH (Intra-Hospitalar) a vítima encontra-se em 90% das vezes numa maca (os 10% são as vezes que os doentes entram em PCR nas salas de espera ou nas cadeira de rodas fartos de pedirem ajuda);

2º No PH, temos poucos recursos técnicos e humanos, para alem dos mirones, familiares e condições de segurança mínimas para proceder aos protocolos de SBV+DAE.
No IH estão entre 4 paredes com todo o pessoal (ás vezes até demasiados) para proceder ao SAV.

3º No PH, por vezes, a PCR é presenciada em locais que não podemos iniciar a SBV+DAE (ex.: 5º andar sem elevador com patamares de escada muito estreitos) ou quando a vitima está em ritmo desfibrilhavel e não podemos chocar porque não temos condições de segurança. No IH basta iniciar SAV... (curioso, nunca vi nenhum Enf. iniciar sozinho SBV enquanto leva o doente parado até à sala de reanimação) porque será?

Curiosamente, mesmo na rua, nunca os vi fazerem extracções... mas estou farto de ver, digo mesmo FARTO de ver enfermeiros a fazerem penso e desinfecção a doentes em PCR.

Deixem-se lá estar no quentinho das unidades de saúde e cuidem dos doentes que lá estão que nós fazemos o nosso trabalho.

Se nunca precisamos de vós, porquê agora? Vá lá, não atrapalhem! Os doentes das unidades de saúde agradecem e os nossos (futuros vossos) também.
 
Provavelmente ando nesta vida, ainda o senhor andava de fraldas. Ainda cagava num pote, já eu sabia fazer manobras de reanimação. Se calhar ainda andava nos testículos do seu paizinho, já eu era profissional de saúde.


1- no hospital, nem todos tem PCR na maca. uns é no WC, outro no chão, num TAC, com a cabeça nas grades da cama, seja onde for... no pré-hospitalar ainda não apanhei uma pCR em pé, voçê já?


2- As VMEr tem mais recursos físicos que muitos hospitais distritais ou SAP's. Em termos de recursos humanos, a VMER (med + enf) tem tantos como um SAP ou hosp distriral (1 enf + 1 med).

3- por vezes as vítimas de pCR encontram-se caídas (no WC por exemplo) sem ningém dar por elas. nunca viu nenhum Enf a iniciar SBV sozinho? Então tire as palas dos olhos!

Digo-lhe mais sem falsas modéstias: em 21 anos de hospital, ambulâncias e sirenes, já vi muito médico fazer merda, já vi muito enfermeiro fazer merda, mas vós tê merda feita até aos olhos!!!


Porque é que acha que lentamente estão a ser corridos do ph? Pelos lindos olhos dos enfermeiros?


Havia tempos que quando chegavamos ao local, os TAS (sim porque os TAE foi uma bela invenção para o euro) antes de chegarmos tinham sede de protagonismo perante os mirones... e tanta merda fizeram! Tantas broncas levaram!
 
Não misture os bombeiros e a cvp, com os bons profissionais que têm, com TAS/TAE.

Um bombeiro e um elemento da CVP têm forçosamente o TAT, um curso de socorrismo.

Um TAS é um curso que tem vindo a ser dado desde a existência do INEM (inicialmente era denominado TAEM). Infelizmente foi descorado e banalizado...

Nos últimos anos temos vindo a assistir, finalmente, à profissionalização dessa classe; tanto nos corpos de bombeiros, como nas unidades de socorro da cruz vermelha, ou ainda no INEM cuja profissão se denomina TAE (tal como citado no Diário da Republica - Técnico de Ambulância de Emergência).

Não tenha qualquer dúvida que esta profissão vai evoluir, por mais que lhes doa os testículos...

Já agora, segundo a legislação em vigor, não há nem nunca houve lugar para enfermeiros numa ambulância de socorro. Se lá estava, estava ilegal.
Se a unidade de saúde onde o Sr. labora permite que seja deturpada a legislação, problema seu e da entidade em questão.

Não confunda transferências intra-hospitalares com o pré-hospitalar. Não tem absolutamente NADA de idêntico.


1º Quanto à PCR em pé, já apanhei sim senhor ex.: os enforcados, acidentes de viação em veículos pesados, projectados, etc.

2º As VMER foram concebidas para serem uma extensão do serviço de urgência à comunidade. Quando chega a VMER ao local, normalmente o médico e o enfermeiro já encontram tudo feito. Se é uma situação complicada (acidente de viação, existência de perigos, etc.), limitam-se a estar à parte.

3º Não, nunca vi tal situação. Apenas ouço: "DR!!!!, DR!!!! venha cá depressa..." e 2 a 3 enfermeiros a velar pelo doente enquanto o DR não se aproxima.
É o habitual em qualquer centro de saúde, SAP ou hospital. Quem tem as palas nos olhos são os cavalos, algo que eu não sou.

Estamos a ser corridos do PH? Invenção!

Somos cada vez mais nas ambulâncias.

De facto é aliciante andar numa VMER onde se aprende muito com o médico que a tripula.
Muitas vezes é um privilégio trabalhar com alguns dos médicos que fazem VMER.

Mas o nosso verdadeiro lugar é junto das vítimas no local e durante o transporte onde, de facto, fazemos a diferença.

O seu discurso agressivo e difamatório nada abona a classe de enfermagem.

No entanto lhe digo: Não acredito que faça pré-hospitalar há 21 anos. Pode fazer intra-hospitalar, mas é de conhecimento geral que não é a mesma coisa.
 
Caro DoutorEnfermeiro em lugar de andar com tanta basófia devia corrigir o seu texto É PORTUGAL E POTUGAL...

NEM ESCREVER SABE!!!!!
 
Caro DoutorEnfermeiro em lugar de andar com tanta basófia devia corrigir o seu texto É PORTUGAL E POTUGAL...

NEM ESCREVER SABE!!!!!
 
Caro DoutorEnfermeiro em lugar de andar com tanta basófia devia corrigir o seu texto É PORTUGAL E POTUGAL...

NEM ESCREVER SABE!!!!!
 
Bom dia.
Li este texto e, não é que tenha ficado ofendida, mas fiquei a pensar sobre isto.
E nao posso dizer muito porque nao passo de uma simples TAT com ambicoes de uma dia ainda poder ser TAE. Mas isso nao me impossibilita de dar a minha opiniao.

É CLARO que nao podemos comparar a formacao dos TAS com a formacao dos enfermeiros. Se uns fazem a formação em 250h, os outros fazem-na em 4 anos. Ninguem poe isso em causa. AGORAA tambem temos de ver que o curso de enfermagem não foi criado para fazer socorro pre hospitalar.. foi criado para prestar cuidados aos doente em ambiente hospitalar. Os enfermeiros cuidam dos enfermos.. é mais por ai..
TAMBEM É CLARO que nao podem andar so TAE nas ambulancias porque isso tbm seria irresponsavel, já para nao falar que nao podem puncionar, nem dar qualquer tipo de medicamento. E sinceramente penso que é isto q marca a diferenca entre as duas classes. Ate porque a funcao do pre hospitalar é estabilizar, o resto cabe aos medicos e enfermeiros ja em ambiente hospitalar...

Isto é so a minha opiniao...
Escusam é de se ofender --'

ps- de quanto é quanto tempo é q o inem abre concursos para tas? eheh :) já agora gostava de saber..
 
Vou responder a esse Sr que se diz que é lava cus há desculpe enfermeiro, já sei que nao vai publicar o meu comentario mas mesmo assim aqui fica a deixa.
Meus Senhores:
Onde estavam os enfermeiros quando foi criada as VMER
Onde estavam os enfermeiros ao longo do tempo na historia da emergencia médica
Porque é que num curso SIV os enfermeiros que são sempre chefes de equipe nao são avaliados porquê?
Meu amigo os TAE andam na rua no pré-hospitalar porque são vocaccionados para a emergência médica, os enfermeiros foram para emergencia médica para quê? lavar cus porque ja lavam muitos no hospital? Crescam e aparecam a emergencia médica em Portugal existe e funciona porque existe TAE...........Os TAE são a mais valia na emergência médica em Portugal e fazem o que gostam os enfermeiros só andam nisto por um status e dinheiro nada mais bazem da emergencia médica nao são precisos cá....... cada macaco no seu galho, por isso cada enfermeiro no seu jardim zoologico e cada TAE na sua ambulância e nas suas bases.............
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

AmazingCounters.comVisitas ao blog Doutor Enfermeiro


tracker visitantes online


.

Novo grupo para reflexão de Enfermagem (a promessa é: o que quer que ali se escreva, chegará a "quem de direito")! 

Para que a opinião de cada um tenha uma consequência positiva! Contribuição efectiva!