segunda-feira, dezembro 01, 2008

Retalhos de uma proposta ("Paramédicos") ridícula!


Está em cima da mesa a perspectiva da criação de uma carreira de Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (por aí apelidados de "Paramédicos" pelos cinéfilos e amantes do Spielberg...). Ridículo. Portugal, mais uma vez, a retroceder. Eis algumas trechos exemplificativos (e respectivos autores):

"A OE e a OM são contra os paramédicos. Simplesmente, não acarretam mais-valias... Para quê formar e treinar alguém a partir do zero (leigo em saúde) para determinada abrangência profissional, quando existem Enfermeiros disponíveis e com competências preferíveis?" (DE)

"Totalmente desnecessários em Portugal e apenas subsistentes noutros países porque, tal como afirma a Associação de Enfermeiros de Emergência Pré-Hospitalar (APEEPH) no seu mais recente comunicado, foram criados numa conjuntura de falta de médicos e Enfermeiros (ex. EUA), o que não se verifica em Portugal" (DE)

"A APEEPH, reforça novamente a necessidade de aproveitar o investimento efectuado pelo país nos últimos anos em formação de Enfermeiros, que não está a ser rentabilizado. A decisão de criação de uma carreira de paramédicos e consequente investimento em formação, quando existem enfermeiros formados e disponíveis, é estrategicamente errada e financeiramente inoportuna" (APEEPH)

"Além do sistema de saúde americano não ser um exemplo de referência até pelo lugar que ocupa no ranking mundial. Deveremos sim, aproveitar e estudar as experiências que respondam ao nosso Modelo Social Europeu, que engloba necessariamente altos padrões de qualidade em cuidados de saúde" (APEEPH)

"Esta posição seja alicerçada em critérios economicistas, já que tal pode significar um caminho de diminuição da qualidade da assistência Pré-hospitalar, situação com a qual, obviamente, a OE não compactuará" (OE)

"A OE reafirma que no actual quadro não se justifica a criação de uma nova Carreira (...) [É necessário a atribuição de] melhor capacitação nos profissionais de Enfermagem, já que os mesmos estão preparados de base para o atendimento da globalidade de cada doente, que é sempre necessária na avaliação e actuação, também na área Pré-hospitalar" (OE)

"O elogio que os peritos da UE deram a Cunha Ribeiro, ex-presidente do INEM, por ter Enfermeiros nas suas fileiras. Consideram isso ser um modelo avançado a seguir pela UE, porque este é o caminho certo. O Pissarro [Pizarro] propõe regredir. É mesmo pissurro!" (GARDINGO)

"Muito me espanta que o Secretario de Estado Dr. Pizarro pense que uma profissão de paramédico, no bom estilo anglo-saxónico (...). Se ele se basear nas regras e leis dos USA Paramedics, e dos paramédicos do mundo anglo-saxónico e francófono verificará que dos 4 níveis existentes a prestação do socorro é realizada por MÉDICOS e ENFERMEIROS e que o Socorro aéreo-transportado é realizado por médicos e enfermeiros emergencistas" (MB)

Para todos os interessados, a proposta para a referida carreira, conteúdo funcional, remunerações (a iniciar nos 760 euros de base, com um topo de 1500 euros) deveres e direitos, encontra-se aqui (STAE).

Ler a referida é um delírio. Em primeiro lugar, os termos da sua redacção são autênticas cópias de outras carreiras. Uma delas, e não é por acaso, é a de Enfermagem. Foram copiadas e coladas várias expressões. Desde sempre, e em muitos sectores, houve (e há) um paradigma anti-Enfermeiro, o que se verifica e está patente numa multiplicidade de medidas, afirmações, estratégias e posturas. Adiante. Eis alguns exemplos do conteúdo funcional proposto para o "paramédico":

- Proceder à observação clínica da vítima;
- Proceder à avaliação e registos dos parâmetros vitais (Consciência, Ventilação, Pulso, P. Arterial, Temperatura e dor);
- Proceder a desobstrução da via aérea com recurso às técnicas e meios adequados;
- Identificar os ruídos respiratórios de risco (implica o uso de estetoscópio);
- Efectuar o isolamento da via aérea com recurso às técnicas e meios adequados, por delegação médica;
- Proceder à administração de oxigénio;
- Efectuar a drenagem de emergência do pneumotórax hipertensivo;
- Efectuar manobras de reanimação cardio-respiratória nas vertentes adulto, pediátrica e neonatal;
- Proceder à determinação da glicemia capilar;
- Assistir o parto de emergência;
- Avaliar tipos de lesão e estabelecer prioridades;
- Proceder à limpeza e desinfecção de feridas;
- Proceder à imobilização de fracturas;
- Proceder à imobilização e extracção de vítimas de trauma;
- Proceder à preparação administração de medicação por indicação médica ou por normas de actuação previamente definidas;
- Estabelecer acessos venosos periféricos;
- Estabelecer acessos intra-ósseos;
- Realizar lavagem gástrica
- Realizar a monitorização cardíaca com recurso a electrocardiografos, identificar as alterações as principais alterações electrocardiográficas e enviar por telemedicina

Parte da formação dos "paramédicos" passaria por estágios hospitalares (sim, leram bem!) em unidade de cuidados intensivos coronários, cuidados intensivos, área cirúrgica do serviço de urgência, unidade do AVC, unidade de psiquiatria, bloco de partos, urgência pediátrica, etc.

Em vários pontos da respectiva proposta da carreira, fazem alusão à necessidade da presença de médicos para integrar comissões de acompanhamento e avaliação, equipas formativas, etc, mas nunca referem ser necessário a existência de Enfermeiros. Revelador do espírito.

Comments:
Um enfermeiro é o profissional dos sete instrumentos, não??

Pensem na vossa carreira e deixe esta área específica para quem tem formação específica. 1500 horas é muito mais do que o que vocês tem de formação aproveitável para EPH.

Se querem andar de ambulância, sirene ligada, e trabalhar na rua estão na profissão errada. A isso chama-se paramédico.

Já agora, sabem qual é o melhor sistema de ambulâncias do mundo??

É o London Ambulance Service, em Londres. Sabem quantos enfermeiros lá trabalham?? Zero!

Médicos só nos helicopteros e com paramédico ao seu lado.

Já agora, os médicos, fazem-no voluntariamente porque são muitos a quere-lo!

Por isso, não venham com o argumento que em Portugal o desemprego de enfermagem resolvia o problema.

E o segundo melhor? Israel. Sabem quantos enfermeiros lá trabalham? Zero. Tudo técnicos! Até unidades de sangue tem nas ambulâncias.


Trata-se de uma área específica, cuidados de emergência pré-hospitalares. Isto não é enfermagem!

Não queiram estar em tudo (linha 24, farmácias, cardiopneumologistas,...) se não vão acabar por não estar em nada.


Lutem pelos vossos direitos, a EPH não é a solução para os problemas da enfermagem.

Já agora, há 3000 enfermeiros por aí para assegurar os 500 postos PEM que são necessários neste país?

Não? ah, então a solução é continuar com o mau sistema de ambulâncias que temos...

E sim, estes TEPH com as 1475 horas estaram muito mais preparados que um enfermeiro SIV neste momento.

E só mais uma achega... Sabem quais as competencias de um paramedico nos EUA? Sedação, intubação,... cardioversão,... dreno torácico,.... E tem 1200 horas de formação. O que está proposto, se virem com atenção, são 1475 horas, para metade das competencias!

Não criar os TEPH agora é andar a adiar o inadiável.

São a solução para o país e a forma de um a vez por todas, termos uma rede de ambulâncias em condições, que fossa responder á maior parte das emergências que ocorrem e que podem vitimar qualquer um de nós, incluindo enfermeiros.

O país ficará muito melhor do que o que existe hoje!

Para terminar mesmo... Sabem o que disse o Paramédico dos EUA na conferência internacional de técnicos de emergência médica realizada no Porto?

O problema é que os enfermeiros querem ser paramédicos, mas os paramédicos não querem ser enfermeiros.

Os enfermeiros que querem ser paramedicos estão na profissão errada.

Sabem o que disse o paramédico inglês?

Hospital - Médico

Pré-Hospital - Paramédico
 
Para a proxima ponham o fotografia no post do maior numero de profissionais que existe no INEM. Os TAE. São 700 e no proximo ano serão o dobro!
 
"Pensem na vossa carreira e deixe esta área específica para quem tem formação específica. 1500 horas é muito mais do que o que vocês tem de formação aproveitável para EPH."

Um enf emergencista (carreira passível de criação) teria a 5000 de base + as tais 1500.

"Se querem andar de ambulância, sirene ligada, e trabalhar na rua estão na profissão errada. A isso chama-se paramédico."

Erro. Paramédico chamou-se à figura que remediou os tempos de crise e escassez de médicos e enfermeiros. Tb eram económicos.


"Trata-se de uma área específica, cuidados de emergência pré-hospitalares. Isto não é enfermagem!"

Com esta afirmação demonstra não saber o que é a enfermagem!


"Não criar os TEPH agora é andar a adiar o inadiável."

Quer dizer, andam os ouyros países da UE a elogiar Portugal por ter enfermeiros nas suas fileiras e vocês com estes clichés?
Andam os outros países a tentar atraír enfermeiros para o pré-hospitalar e voces com essa teoria?


"a solução para o país e a forma de um a vez por todas, termos uma rede de ambulâncias em condições"

Concordo, mas tripuladas por enfermeiros.

"Para terminar mesmo... Sabem o que disse o Paramédico dos EUA na conferência internacional de técnicos de emergência médica realizada no Porto?"

Imagino. São todos uns sonhadores. Podem dizer o que quiserem!

"O problema é que os enfermeiros querem ser paramédicos, mas os paramédicos não querem ser enfermeiros."

A sério? Por isso é que as faculdades de enfermagem americanas estão cheias de paramédicos para se converterem em enfermeiros!
O contrário não se obseeva!

"Sabem o que disse o paramédico inglês?
Hospital - Médico
Pré-Hospital - Paramédico"

É porque é burro e gosta de puxar a sua sardinha!

Médico e Enfermeiro = saúde dentro e fora do hospital. Onde são precisos lá estarão!


Há 3 anos tive em itália e estãi aflitinhos para se livrarem dos paramédicos!
 
Sabiam que:
A Ministra da Saúde,o secretário, o Presidente do INEM e o Bastonário da OM... todos eles estão satisfeitos, e apoiam, a criaçao desta carreira?
 
basta analisar/interpretar/reflectir o primeiro comentário para vaticinar o futuro.

1º Enfermeiros não querem ser paramédicos.
2º Na grã-bretanha, os médicos não trabalham de graça ne EPH. está muito enganado. redondamente.
3º os actuais TAE, não detém capacidades nenhumas para actuação em emergência. a visão deles é completamente redutora da situação a que devem socorrer.
4º é que não basta fazer uma técnica. no actual modelo de VMER, 99% da dualidade médico - enfermeiro, perfaz-se numa óptima relação de equipa, que resulta na excelência da actuação.
baseada em julgamentos clínicos efectuados por ambos, estabelecendo prioridades na actuação. não o médico só. não o enfermeiro só. mas os dois.
agora esses tais de TAE......
5º o melhor sistema de ambulâncias é o londrino! por acaso sabe o ranking do sistema de saúde britânico?
Sabe o porquê do funcionamento da emergência londrina nesse sistema?
Vocês conduzem ambulâncias, mas por favor deixem as VMER a quem de profissionalismo lhes é devido (ENFERMEIROS E MÉDICOS)
6º já agora. Tratamento de feridas! o último TAE com quem falei, quase me queria obrigar a realizar a desinfecção de uma solução de continuidade com hidrogel.

infelizmente o dr Pizas, já mostrou a sua falta de profissionalismo no Hospital São João. è mais um interesseiro na saúde, só pensa nos milhares que leva para o seu bolso. corrupto.


ENFERMEIRO na VMER (uma das...)
 
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
 
Alguns aspectos a ter em consideração…
Diziam-me um colega há uns dias:
“Até nos cinemas se desligam os telemóveis; no bloco não só isso não acontece, como ainda sobra para os enfermeiros…”
“Pelo que vejo, alguns enfermeiros querem ser médicos naquilo que fazem, mas não naquilo que ganham. Portanto: também os enfermeiros querem dar cabo do sistema! Mais lhes valia mudar de curso.”

Quando chego ao trabalho, abro os seguintes sites:
http://www.publico.clix.pt/
http://www.sintonizate.net/ (e depois escolho a Sic notícias)
http://www.elsevier.com/wps/find/homepage.cws_home
http://omeupontog.blogspot.com/
http://www.acmilan.com/
E claro, o http://doutorenfermeiro.blogspot.com/!

Há para aí um sítio (pelo menos!) onde podemos encontrar um enfermeiro que é nada mais nada menos do que ajudante de cirurgião. Exactamente! Não é instrumentista. Ele faz o lugar de ajudante! E nem sequer é português.
Aceitam-se comentários…
Para terminar: tanto desemprego por aí, e tanta gente a trabalhar a tão baixo preço… Pergunto: não deveria haver mais voluntariado de enfermeiros nas corporações de bombeiros? Talvez assim, não se estragasse tanto o mercado de trabalho!

Saudações visceriosas,
Digníssimo Cirurgião da Naifa.
 
em portugal ja existem inumeros TAE's a iniciar vida académica em escolas de enfermagem... para no futuro serem enfermeiros do pré-hospitalar... afinal os paramédicos também querem ser enfermeiros. quem conhecer esta realidade sabe bem que é verdade o que digo...
 
Os poucos TAE que tem procurado enfermagem é por ausência de uma carreira como a que agora está a ser criada!

Os novos técnicos não são destinados a tripular VMER. As VMER vão-se manter conforme existem hoje, ou seja, com médico e enfermeiro.

Quando muito, o que poderá acontecer é passarem a ser tripuladas por 3 elementos, deixando o enfermeiro disponivel para aquilo que tão bem sabe fazer e que lhe compete: cuidados de enfermagem durante o transporte da vítima.

Não terá mais que interromper os cuidados de enfermagem para ir conduzir!

Ou será que agora também acham que conduzir é uma competência da enfermagem?

Sobretudo quando só se faz isso, 4 a 5 vezes por mês.
 
"em portugal ja existem inumeros TAE's a iniciar vida académica em escolas de enfermagem... para no futuro serem enfermeiros do pré-hospitalar... afinal os paramédicos também querem ser enfermeiros. quem conhecer esta realidade sabe bem que é verdade o que digo..."

É verdade. Eu sou um deles. E devo confessar que decidi investir (é a palavra correcta, em todos os aspectos) num curso de enfermagem, porque o actual panorama não me permitia outro meio de evolução nas minhas competências a nível pré-hospitalar. Na verdade, embora históricamente em portugal a EPH tenha estado na na maioria a cargo de tripulantes (bombeiros, tat's, tas's, etc...), que em regime de voluntariado foram fazendo muito com o pouco que sabiam, (com as devidas excepções do pessoal do velhinho SNA e da CVP de outrora...), não me parece lógico que existindo uma organização do SIEM, e embora reconheça que os TA's tenham direito a uma carreira regulamentada (assim como todas as profissões) que preveja mais e melhor formação, os enfermeiros não tenham o seu lugar na EPH. Também me parece evidente, que não se pode ignorar as várias centenas de TA's que asseguram actualmente a EPH, desmpenhando na sua maioria, com profissionalismo a sua função, obviamento no âmbito das competências corrspondentes à sua formação. Não se pode fazer crêr que a solução passa por negligenciar estes profissionais (porque é disto que se trata, pessoas que desempenham uma profissão, devidamente reconhecida e tutelada). Pessoalmente acredito que todos têm lugar no PH, e que, o modelo ideal seria passar as SBV para SIV's, mantendo as vmer's e restantes meios. Enfermeiros e técnicos podem e devem coexistir juntos no âmbito das suas competências, sendo que para isso, ambas as profissões devem ser valorizadas, e integradas num modelo transdisciplinar.
 
O anónimo das 11.51 PM, presenteia-nos com mais um discurso amorfo, desconexo da realidade,

onde é notório um elevado complexo de inferioridade, só ultrapassado pelo absurdo do conteúdo do mesmo.

É a lógica da batata ao serviço da aridez mental, baseada em premissas ocas, cheias de um infinito vazio.

Os TAEs/TAS aspiram ilusoriamente serem denominados de paramédicos, que pode ser traduzido como os "quase médicos", mas tendo em conta o as funções que pretendem realizar, deviam ser apelidados de para-enfermeiros, "quase enfermeiros".

O problema é a ausência de QI e de QE, e como a ciência ainda não evoluiu o suficiente para fazer transplantes cerebrais,

os TAEs/TAS necessitaram sempre de um cabresto com palas laterais, e da mão firme do enfermeiro para os guiar na sua actividade profissional,

Caso contrário vaguearam eternamente à procura do feno, que trazem no lombo.

NEL
 
Os enfermeiros faziam tudo e agora vão ficar sem nada para fazer? excepto o que ninguém quer.

Como é possível isto? Licenciados, com uma Ordem!!

Como é possível ainda não existir uma especialidade de enfermeiro emergencista, ou semelhante?

Como utente o que vejo é:

Muitos enfermeiros passam o tempo a filosofar (filosofia barata) e outros a trabalhar sem sequer poderem ou terem tempo para pensarem!

Os vossos superiores é que vos aniquilam!!!
 
Se isto vai para a frente, depois destas 1500 horas serão 4500, uma vez que por certo vão querem promover a categoria de técnico de emergência ao grau de curso superior. A Ordem continua impávida e inerte, assistindo à combustão da Enfermagem, como fez Nero ao deleitar-se com o incêndio de Roma. As especialidades tardam e os Enfermeiros continuam tresmalhados, à falta de alguém que dirija o rumo da profissão.
 
NEL,
se é enfermeiro, peço-lhe que comente de forma adulta. Enquanto enfermeiro envergonho-me da sua prestação. Tente apresentar de forma educada, e até cortez, as suas opiniões, reflita um pouco, apresente a sua análise e os respectivos argumentos.
 
Continuo a não acreditar que os enfermeiros estejam preocupados com estas utopias porque também sou enfermeiro e trabalho no pré-hospitalar. Felicito desde já todos os TAE por lutarem por uma carreira, e por uma regulamentação na sua profissão. lembrem-se que todas as directivas comunitarias vão contra esta "carreira", fala-se em espanha,em frança, em inglaterra entre outros mas não se percebe que neste paises faltam profissionais altamente qualificados (vulgo médicos e enfermeiros) e quando digo altamente qualificados falo em formações base superiores a 4 anos em que toda a teoria é aprendida, depois sim segue-se uma aprendizagem prática em que todo o suporte teórico é colocado em acção. Acredito que qualquer TAE coloque um acesso venoso num doente mas coloca-o porque sim, sem suporte téorico reconhecido(para mim cursos de aprenda inglês em 5 horas não serve). Não quero com isto desprestigiar o seu trablaho porque o pré-hospitalar precisa de profissionais qualificados vulgo TAE. Mas será que o pré-hospitalar não ganharia mais se estes profissionais(TAE)fosem excelentes no SBV e não no SIV ou SAV. A nossa cultura latina é interessante todos nós somos pequenos médicos, enfermeiros,professores, canalizadoers,mecanicos entre outros, deixem-se disso. Não deixarão de ser tripulantes de ambulâncias de emergência, porque enfermeiros e médicos já existem.enfermeiros não alimentem estas guerras pois isso não nos leva a nada é no dia a dia na nossa postura como profissionais que a população percebe que um enfermeiro só pode ser substituido por um enfermeiro tal como um TAE por uma TAE.
 
Meus amigos aqui as vossas choramingadelas são como dizia o outro, o ''estrabuchar do morto'' a vida é assim mesmo, quando se tudo quer, tudo se perde, para responder ai a alguns aparvalhados de cima, estes novos tecnicos so pecam por estarem atrasados 25 anos.

Agora digam-me uma coisa como é que enfermeiros portugueses que são autenticas marionetas de medicos, vem para aqui contestar aquilo que foi dito numa conferencia no porto, por gente que tem mais horas de formação em emergencia medica que qualquer medico português com mestrado em emergencia medica!!!

O paramedico americano que la estava é formador de paramedicos, de paramedicos de cuidados intensivos e de paramedico de helitransporte e tambem meus amigos era formador de paramedic-nurse!!!
Sim leram bem NURSE!!!
Se voçes forem la pra freguesia deste senhor é ele que vos vai formar lolol engraçago ñ é lolol so tenho pena de ñ ter filmado lolol
E o outro paramedico inglês que aqui um dos vossos enfermeiros (da vmer de são josé de certeza) chamou de burro, faz exactamente a mesma coisa em londres mas com uma pequena diferença, ñ quer ouvir falar de enfermeiros nem de médicos sequer...

É formador de tudo e mais alguma coisa e aqui um tecnico do halibut qualquer, vem para aqui denegrir a a imagem de uma pessoa que nem sequer conheçe.. Acho isso muito feio mesmo.
Tipico de enfermeiro frustrado por ñ ter conseguido entrar para medicina...

Para o outro que diz que no sistema francófono são enfermeiros e medicos que la trabalham digo-vos ja que em frança estão descontentes com o sistema e segundo o tecnico françês que esteve na conferencia deve mudar dentro de pouco tempo, pk após ver esta nova proposta portuguesa foi o primeiro a comentar publicamente que daqui a 2 anos voltava a portugal e se isto tivesse implementado que iria levar a proposta pra lá custe o que custar...

Ja os nosso colegas espanhois tiveram luz verde á 2 meses para implementar o sistema americado de 1200h...
Ou seja neste panorama onde é que entram os enfermeiros?

Espanha a mudar tudo pra tecnicos 1200h.
Inglaterra com paramedicos com licenciatura em emergencia medica.
Franceses com enfermeiros mas totalmente descontentes com tudo o k la se passa.
Suiça licenciatura em emergencia medica e ñ esquecendo o canadá e os EUA que é tudo á grande e por ai a diante...

Não estou aqui a ver futuro pra enfermagem sem ser nas farmacias a dar vacinas e nas enfermarias que foi para isso que foram criados para estarem nas enfermarias ao lado dos enfermos.

E para os enfermeiros da vmer de são josé ñ tenham medo que não lhes queremos tirar o lugar,ja aos das SIV vai-lhes acontecer o mesmo que aconteceu aos nossos colegas TAS das VMER vão sair gradualmente...
é a vida cada macaco no seu galho graças a deus vão se diminuir os lóbis que dizer alguns porque na enfermagem portuguesa o que não faltam é lóbis e corporativismo.
Sem mais de momento até qualquer dia a beber café numa urgencia perto de si...
 
"É o London Ambulance Service, em Londres. Sabem quantos enfermeiros lá trabalham?? Zero!"

E sabe porque?
Porque o Reino Unido, tal como Espanha se depara com uma falta de Enfermeiros, assistindo-se a um recrutamento por parte destes em contratar Enfermeiros portugueses, e não só.
Vejo-me incapaz de compactuar com esta proposta, face à actual situação de país, não vejo que a formação especifica de técnicos, trará desenvolvimentos positivos na EPH, pois a incorporação de Enfermeiros nesta realidade, seria a melhor escolha.
Mais de 700 TAE's, os "reis" do INEM são uma maioria significativa, apenas ditando uma proliferação de conhecimentos básicos, e que não se entenda em cuidados de enfermagem, como já foi dito por aí.
Quando souberem o que são cuidados de Enfermagem... Talvez saibam que o vosso interesse nesta matéria é traído pela realidade.
Uma formação base de 5000 horas, muitos por aí, esperando abraçar uma carreira na EPH, com pós-graduações e outros cursos de interesse... NÃO. Vamos criar uma carreira de paramédico, no mínimo absurdo.

Cumps AMP
 
Sou licenciado em enfermagem, tenho um mestrado em emergência e catástrofe e vários de cursos relacionados com trauma, SBV e SAV que todos juntos perfazem mais de mil horas de formação e parece que me querem dizer que não sirvo para a emergência pré hospitalar, será?
 
O nome de enfermeiro ainda trás muito preconceito, apostemos na especialização na enfermagem mas com nomes diferentes:
técnico superior de emergência médica;
técnico superior de reabilitação;
técnico superior de saúde pública;
técnico superior de saúde infantil;
...

iria ser um sucesso...as portas abriam-se de par em par!!!

Acho que o problema só pode ser mesmo o nome!
 
O naifinhas é levado da breca. De quando em vez lá vem ele presentear-nos com uns bitaites mais ou menos interessantes. Concordo com aquela de “...até nos cinemas se desligam os telemóveis e no bloco operatório... népias”. Triste realidade.

Quanto a esta polémica dos TAE, eu digo o seguinte:
Se encararmos tudo isto como numa lógica de mercado, vencerá quem mais força demonstrar e quem se propuser fazer o mesmo serviço pelo menor custo. Portanto, por aí, talvez nós não levemos a melhor!

Se encararmos as coisas numa lógica de rentabilizar o que já temos em termos de recursos humanos, aí, haveria muito para fazer. Mas era fundamental que OE, sindicatos e enfermeiros de uma maneira geral, estivessem dispostos a olhar para o problema do pré hospitalar com vontade de o resolver. Penso é que, muitas das pessoas envolvidas nesta polémica, apenas procuram protagonismo.
Lá está, é “o brilho das sirenes”. E por isso temo que seja (MAIS UMA) derrota para a Enfermagem Portuguesa.

Enf.ª Júlia Mota
 
Uma pen cheia de saúde:

Numa pen USB é possível guardar radiografias, análises e receitas de uma vida inteira. O conceito acaba de estrear pelas mãos da Mobilwave.

Processo Clínico Electrónico (EPCI)

http://exameinformatica.clix.pt/imprimir.html?canal=exameinformatica&noticia=997939

Sr.ª Bastonária: isto passou-lhe ao lado não?
Deixe lá, pode encontrá-la numa farmácia perto de si.
 
http://www.correiodamanha.pt/noticia.aspx?contentid=ADEC77CE-815B-429A-8615-FE36358D690E&channelid=00000092-0000-0000-0000-000000000092

Sic
Programa Momento da Verdade
Farmacêutica – não ganhou o prémio máximo.

“Diz que o marido não é bom amante”.

Ninguém se pode rir...

Abraços
 
Dr. Enf., já foi ao blogue conversámos?
http://conversamos.wordpress.com/
Anda por lá um desempregado...
 
TEM ANDADO DESAPARECIDO... Sr. Dom MAGISTRAL ESTRATEGA?!?!?
Que passa?
 
Não será inconstituicional usurpação de competências com a criação de uma nova carreira?

Porque não levam isto à barra dos tribunais? Gastem o dinheiro das cotas da Ordem e apliquem-no na defesa da nossa profissão!!!!!

Os enfermeiros deviam se unir todos e lutar com esta aberração!!!

Será isto mesmo verdade????

Assim, qualquer dia não Há enfermeiros!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
 
Acho que todos escrevem muito bem, mas para infelicidade de uns e alegria de outros, a CARREIRA VAI SAIR, durante o mês de Janeiro de 2009 irá sair no diario da republica. Sei que para os enfermeiros isto é intragável, pois andam á anos a lutar pela sua carreira e nada, agora pensem porque será?!!!
Como disse o secretário de Estado, cada MACACO NO SEU GALHO, pois precidsa muito dos enfermeiros dentro do hospital, pois sem eles um hospital não funcionava.
Agoara quanto aos TAE´s, só demonstram o tipo de classe que são, em pouco tempo apresentaram uma proposta concisa e eficaz, pois se assim não fosse o Ministério da Saude não aprovaria a carreira. Vamos deixar de guerras, pois existe lugares para todos, somos todos nós que lucramos com isto!!!!!!!!!!

A OE, nada diz e nada pode fazer, pois foi uma decisão politica, de concenço entre todas as forças politicas em Portugal, todos eles são a favor da Carreira de Técnico de Emergência Médica, e até a OM deu parecer favorável á carreira.


Acalmem os nervos e respirem fundo, pois se fossem mais sensatos, por esta altura já tinham atingido os vossos objectivos,já ganhavam como licenciados e teriam concerteza a vossa carreira defenida.

Enquanto agirem e pensarem desta forma todas as classes afectas á Saude vos passará á frente.Como:
Medicos
Farmácia
Tecnico Ambulância Emergência
Auxiliares Acção Médica

Sem mais...................


Por todos TAE´S/TAS de Portugal
 
Vinha condia-lo (Dr. Enfermeiro) a ler e comentar o artigo de opinião deste mês no COGITARE em SAÚDE "Pensadores de Enfermagem" da autoria do Enfermeiro Nuno Miranda.

Deixo-lhe um pequeno enxerto:

"Por exemplo, um Enfermeiro que prescreve um anti-inflamatório num contexto de tratamento de uma ferida está a executar um acto de Enfermagem. O mesmo fármaco, prescrito pelo enfermeiro num contexto de renovação de receituário (como alguns defendem) determinado pelo julgamento de outro profissional configura um acto meramente burocrático e não de Enfermagem. O que fazemos deve servir e derivar daquilo que pensamos."
 
A proposta de carreira que apresentam é plágio do decreto-lei nº 437/91,bastará comparar ponto por ponto. Para o plágio há certas opções...
Quando foi ventilada a criação da terceira via, sempre se pensou que fosse algo parecido com o que há na Finlândia o que no caso em apreço mais não era do que o engodo e a tentativa de desestabilizar.Deram-se ao trabalho de enviar e-mails mas não passou disso...tentativas. Ao dinamizador do movimento,falta-lhe algo que jamais terá: Honestidade.
 
Mas apesar do capo de actuação dos enfermeiros estar-se a esgotar, o número de Enfermeiros cresce a olhos vistos e vai continuar a crescer, pelo menos até aos meados da próxima década, segundo palavras da bastonária ao forumenfermagem de onde se extrai a seguinte pérola:

"Quantos enfermeiros faltam no País? O Ministério da Saúde fala em pouco mais de dois mil profissionais...



Se atendermos ao sistema de classificação de doentes e às necessidades dos CSP, há dois anos atrás apontávamos para uma carência de 20 mil enfermeiros. A manter-se o nível de formação que temos actualmente devemos atingir em meados da próxima década uma aproximação do rácio médio europeu que se situa nos 8,2 enfermeiros por cem mil habitantes. Neste momento, de acordo com o número de enfermeiros inscritos na Ordem, estamos com 5,4 enfermeiros por cem mil habitantes.

"

A solução é mesmo aproveitar este excedente de Enfermeiros e dar-lhes o novo curso de paramédicos. Assim fica tudo na família!
 
Ao anónimo das 11:51 PM (1º comentário)

Da leitura dos primeiros argumentos verifico que aquilo que os senhores TAE/TAS/TEPH... pretendem é "andar de ambulância, sirene ligada, e trabalhar na rua". Escrevos isto fazendo uma assunção muito simples. É UM ARGUMENTO CONSTANTE E QUE TEIMAM EM UTILIZAR (dizendo que é aquilo que nós queremos) PARA JUSTIFICAR A NOSSA PRESENÇA NO PRÉ-HOSPITALR!!

Ah! Já percebi a necessidade das 1500 hrs de formação que Vs .Excas. necessitam: 500 horas para saber "andar de ambulância" + 500 hrs para saberem "ligar a sirene" + 500 horas para saber "trabalhar na rua"!!

Os enfermeiros têm muito mais emoção no seu dia-a-dia de trabalho! Presenciam PCR's, actuam de imediato, observam e avaliam resultados das suas acções no momento. Até me dá mais gozo porque posso actuar dentro dos timing's óptimos que me permitem percentagens de sucesso e de recuperação do doente muito superiores ao pré-hospitalar! E repare que trabalho numa UCI! Tenho disso praticamente todos os dias!

Considero a presença dos Enfermeiros no pré-hospitalar importante, porque sei aquilo que podem dar aos utentes em termos de conhecimentos(farmacologia, anatomia, fisiologia,etc) e humanismo. Quanto aos candidatos a TEPH, sei que são pessoas vindas de diversas áreas (fora do âmbito da saúde), e com percursos "inconstantes" dentro deste ramo.

Ah já agora, não compare o sistema de emergência médica Israelita com o Português! Israel vive sob constantes atentados terroristas que infelizmente vitimizam centenas de pessoas! Logo a necessidade de recurso humanos é muito superior! Felizmente em Portugal não temos este cenário! Construa comentários inteligentes! Este só revela a sua ânsia de vir a ser um "para-médico-enfermeiro".

Saudações

Enfermeiro Atento
 
aos TAE's
antes de mais pensem como é que irão ser recebidos nos supostos estágios que irão fazer em ambiente hospitalar.. quando tiverem os enfermeiros a ensinar a puncionar, que na minha opinião não me parece que haja colegas a ensinar a puncionar sem que recebam nada em troca mt pl contrário... vai sr um ambiente um pouco hostil.
em segunda.. a diferença entre ordenados dos TAE's e enf não é mt grande infelizmente ptt o MS nunca irá contratar esses ditos paramédicos a pagar-lhes mais quando podem ter um Enfermeiro que é um elemento muito mais diferenciado no terreno e que pagam quase o mesmo preço e socialmente a Enfermagem tem outra representatividade que um paramédico (em que grande parte da populaçao nem sabe o que isso é) para a população.

fico fascinado quando vejo os TAE's completamene empolgados porque podem conduzir vmer's e ambulâncias... afinal vocês querem ser optimos profissionais no que concerne aos cuidados à população no pré-hospitalar ou é apenas andar a servir de condutor? andarem a passear com a ambulancia pela rua de oculos de sol? terem uma farda para pendurarem no banco do carro? por favor...maioria de vocês sao desempregados que não conseguiram emprego nas respectivas licenciaturas e isto do inem apenas serve para "tapar buracos"...
 
a diarreia mental de que o seu comentário contempla, enaltece a estupidez da sua ignorância, a jactância do seu caracter que (sobre)vive num gólgota onde diariamente você se encontra e acarinha a sua gruta de jade que entretanto já não satisfaz pela verborreia espiritual.

querida Doula usurpadora de funções:

os profissionais de Emergência médica em portugal (digo MÉDICOS E ENFERMEIROS), têm mais formação nessa área que qualquer outro profissional na área, em qualquer parte do mundo.
quer ver Curriculos? por favor.. a UE, afirma que este "é o caminho a tomar".
em todos os outros países tal não é assim, e cria-se a figura inoperante do paramédico, pois nesses países, não há enfermeiros.

adianto e relembro, que Portugal é o único país da Via Láctea em que só se formam enfermeiros. não há formação de Auxiliares de Enfermagem!!!
Daí nesses países existirem técnicos.

Quanto ao serentilismo médico...
Essa é uma situação que vai ser da vossa função. Por isso irão ser técnicos, de ambulâncias. isso não é problema, porque os enfermeiros não são serventis de médicos, antes, têm um juízo clínico que formulam e coadunam com o médico o que se traduz na excelência da actuação.

impossível comparar com qualquer outro lugar/classe/profissão.
 
Senhor Lifepassenger,

devia ser mais cordial com os leitores deste blogue. Se reparar fez mais ou menos isto: entrou numa sala cheia de gente e cumprimentou apenas uma pessoa. Tente fazer diferente da próxima vez…
Quanto ao artigo que sugere, podemos dizer que está bem escrito, mas bem espremido, leva-nos a uma visão da Enfermagem que está próxima daquela que é partilhada por muito boa gente neste país, incluindo a bastonária. Escusado será dizer, que esse caminho está a levar-nos para juntinho do precipício.
Não nos esqueçamos que o senhor enfermeiro Nuno Miranda pensa a Enfermagem de tal ordem, que a dada altura, já está a comparar-nos ao médicos…
SANTA PACIÊNCIA.
Acordem para a realidade.
Já não nos bastava o Nel e o Naifas…
Enf.ª Helena Gomes
 
Os enfermeiros q quiserem ser TEPH, é simples, concorram, e provem durante a formação e avaliação q sao bons no q fazem e entraram como outro qq, com o enorme conhecimento q têm deve ser facil pra voces concorrer...
 
Caros
Não me incomoda o surgimento de uma nova carreira. Digo sempre que é de salutar o surgimento de novas profissões. O conhecimento e a diferenciação das pessoas envolvidas nos cuidados de saúde nunca trouxe nada de mal ao Mundo. Antes pelo contrário.
Desde que esta nova carreira não venho a incorporar e a desenvolver competências de outros profissionais de saúde. Neste caso dos enfermeiros. Não se pode criar uma nova carreira retirando competências legalmente atribuídas a outras profissões. Isso é usurpaçao clara de funções e merece ser levado a um tribunal português e, se necessário, a tribunal europeu.
Espero da Ordem dos Enfermeiros uma resposta convincente e atempada sobre esta matéria caso se verifique uma usurpação efectiva de funções. E que, por isso, não se mantenha em silêncio ou com palavras bem escritas mas sem conteúdos (sempre comprometedor) como sempre nos tem habituado. Exige-se uma posição enérgica e competente.
 
Só falta saber quem serão os abutres que irão (se... e quando...hipotéticamente) formar esta nova estirpe. Eu desconfio que alguns que não o deveriam fazer já estarão a afiar as facas para o festim. Mas isto é só um "suponha-mos", como diz o outro.
 
Para responder aqueles que querem brincar com a vida, e para desmistificar alguns curiosos e mal informados que por aí andam, limito-me a remeter-vos o seguinte site:
http://www.skylife.aero/
Estamos a falar, também, dos EUA...

Saudações Emergentes,
PitStop
 
Os sr enf.são o que são passar a vida a explicar o que n querem ver na minha terra são.... Pois!!!
 
A minha opinião é a seguinte:
Para prestar cuidados de qualidade no pré-hospitalar, para além de formação, é necessária muita prática clínica principalmente em contexto de urgência hospitalar.
Independentente de serem, médicos, enfermeiros ou TAS, é necessária experiência hospitalar.
Digo isto, porque é a realidade com a que me debato diariamente.
Trabalho num serviço de urgência e contacto com enfermeiros da SIV diariamente, quase todos com experiência hospitalar escassa, o que se manifesta claramente nos cuidados que prestam e nos conhecimentos que revelam.
 
Para o anónimo que perguntou onde ando... Estou aqui...

Só que não me apetece discutir o que não tem discussão... Uma proposta sem qualquer nexo...
 
Comparem as funções descritas na proposta de carreira dos paramédicos e no conteúdo funcional dos enfermeiros descrito no REPE e nas competências definidas pela OE. Os enfermeiros criam uma série de acções e intervenções divagantes, completamente subjectivas e que ninguém sabe bem o que aquilo quer dizer.

A culpa é nossa, ou melhor de um grupo específico de enfermeiros - os enfermeiros do delírio, que não exercem enfermagem, são uns pseudo pensadores e que só fazem m**** . Podemos encontrá-los nas escolas de enfermagem e pelos gabinetes e corredores de muitas instituições de saúde, bem longe dos doentes.

Já repararam na atribuição dos prémios nas diferentes profissões:
Ao melhor cirurgião: que opera claro;
Ao melhor professor: que ensina claro;
Ao melhor enfermeiro: que faz exactamente o quê?

Já referi uma vez e volto a referir: os enfermeiros apenas adquiriram graus académicos ao longo destes anos - conteúdo funcional que reflicta essa formação: ZERO.
Nesta altura já era para existirem (há muito) enfermeiros especialistas emergencistas e com um upgrade funcional específico, adequado à sua formação. Com intervenções num patamar bem acima destes TAEs. Agora poderíamos dizer claramente que haveria risco para a saúde da população se não existissem enfermeiros emergencistas espalhados pelo nosso lindo Portugal, não seria? São “coisas” tão simples e básicas que até faz confusão …o mesmo se poderia (por exemplo) aplicar à enfermagem de reabilitação.
Acho que começamos a estar irremediavelmente atrasados…
FILIPE
 
Srs enfermeiros,

Não percebo como é que do alto do vosso pedestal podem estar tão incomodados comnosco...

Ainda não percebi o que é que nós vos vamos tirar...

Alguém me explica?

A discussão que aqui temos é eterna e sem consensos. Por isso, em vez de ofensas mútuas vamos falar de factos e do que poderia contribuir para uma melhor prestação de socorro pré-hospitalar.

Mas permitam-me comentar certas coisas que já li:


...Querem ficar com as VMER? Por mim, ESTÃO À VONTADE! (alguns tripulantes que lá andaram 17 anos a formar enfermeiros que me perdoem... Seja abençoada a falecida VMER LX!) A grande maioria de nós gosta mesmo é de ambulância! Até porque, apesar do milagre da multiplicação dos pães se ter aplicado às VMER nos últimos anos, o pré-hospitalar começa e acaba com uma ambulância. PORQUE NÓS ESTAMOS EM TODAS! Comvosco ou sózinhos...

...Em relação às ambulâncias, se querem vir sejam bem-vindos! Têm é de passar a usar outras letras nas costas depois de fazerem formação específica para isso! sim, e nós também deixamos (até porque faz sentido) que vocês tenham equivalências em anatomia, fisiologia, farmacologia e algumas técnicas. Não precisam de repetir isso (apesar de alguns que conheço precisarem! - desculpem, fui mauzinho!).


...Em relação às competências... quais é que são vossas mesmo e que nós vamos tirar? pensava que as que estão em discussão ou são médicas ou interdependentes... aí já os Drs médicos se podem queixar! mas como é para bem da populaça eles até fazem o sacrifício de nos deixar fazer algumas coisitas delegadas por eles directa ou indirectamente - protocolos e após formação para isso.

...se é a rua que têm medo de perder (isto se for possível perder uma coisa que históricamente, e até mesmo hoje, nunca vos pertenceu) não a perdem. Fazem a formação e no hospital são enfermeiros e na rua são técnicos! Com direito às dores de costas, cadeiradas, # colo fémur no 4º andar sem elevador, e tudo isso para onde as VMER não vão... mas nós sim!

...e por último, deviam ter ouvido o Dr. Humberto,chefe da urgência dos Hosp. Sto António no Porto, antigo funcionário do INEM (há uns bons aninhos!) e membro de uma comissão da Ordem dos Médicos! Foram 20m de música para os meus ouvidos e perfeita e racional explicação do porque criar a carreira de técnico de emergência médica, TEPH, Paramédico, o que lhe quiserem chamar!, não só faz sentido como é fundamental e imprescindível! e ele não vos exclui... "converte-os" (não é no mau sentido!) na nossa carreira se quiserem estar no pré.

Até porque se vossês gostam do pré como eu não é isso que vos vai impedir de fazer rua!

Sem mais, e sem guerras (até pq tenho amigos enfº que prezo), as minhas respeitosas...

Saudações pré-hospitalares!
 
Meus caros:

Esta história do "intermédios" que não são carne nem peixe ( leia-se paramédicos ou outros )tem muito que se lhe diga...

Devo dizer, para inicio de cnvertsa que sou enfermeiro há muitos anos, gosto de o ser e não quero ser outra coisa que não enfermeiro( leia-se intermédios).

No entanto há várias coisas a analisar :

1º- Quem autoriza e reconheçe novas profissões(seja em que área fôr) não são os sindicatos ou as Ordens - é o Governo , ponto final.
Os sindicatos podem protestar mas não adiantam nada...é só para mostrat que existem. As Ordens ( porque o Estado lhes transferiu a competência da regulação do respectivo exercício profissional ) só podem dizer que todo aquele que invadir as àreas específicas das competências próprias e reconhecidas decada profissão poderão ser colocados em tribunal por exercício ilegal de profissão. Na prática pouco mais que isto podem fazer ... a não se também juntar-se ao coro de protestos. Contudo, quem manda,(principalmente com maioria absoluta ) fará sempre aquilo que lhe der na real gana...
2- Pessoalmente entendo não se4r necessária esta nova profissão quando já existem profissionais da área que estão muito mais preparados para o efeito ou podem ser mais rapidamente preparados para o efeito. O problema aqui não é , na realidade, um problema de os enfermeiros serem ou não competentees para o efeito. O problema é de custos. Um enfermeiro ( licenciado) vai ficar mais caro que um TEM em qualquer circunstância e portanto quanto mais barato melhor / segundo o Governo).
3 - Outra questão não menso importante é - mas afinal o que é que os enfermeiros querem ser no futuro ???. Insurgimo-nos ( e bem quanto a mim) com a " usurpações" de funções que sistematicamente assistimos ( veja-se as vacinas na s farmácias como exemplo mais recente). Mas reflitam lá um bocadinho... A maioria dos "post" deste blog configuram uma ideia que os enfermeiros terão competências para muito mais do que fazem agora... Em várias situações até concordo que deviamos ter mais autonimia porque efectivamente temos conhecimentos para tal. Mas no fundo o que me parece é que existe este dilema : não queremos que haja "intermédios" nas actividaes de enfermagem, mas parece-me ( desculpem se interpreto mal ) nós próprios queremos ser "interm+edios " médicos. Assim , não , em minha opinião. Sejamos REALMENTE ENFERMEIROS, devemos assumir as nossas responsabilidades porque se pensarem bem, os instrumentos legais par o fazermos já existem.

Cumprimentos
 
Por mais que pense nas razoes que levam alguns enfermeiros a reagir com “os sinos a rebate” sobre esta questão não consigo encontrar lógica no seu discurso.
Para mim, e enquanto cidadão, parece-me lógico que resolução de grande parte dos problemas do acesso a cuidados de saúde passa pelos enfermeiros e sobre esta questão não vejo uma única linha de discurso.
O que vejo são criticas e mais criticas, ocas de conteúdo, a farmacêuticos, técnicos, auxiliares, médicos e agora TAEs. Esta constante soma de frentes de “batalha” só serve para fragilizar uma classe já por si desgastada por anos de estagnação e subserviência.
Quanto aos TAE não serão NUNCA uma ameaça aos enfermeiros, só pelo simples facto de possuírem competências para intervenções em diferentes niveis da assistência a uma qualquer vitima.
Vão continuar a existir VMERs com medico e enfermeiro (+/- 50)
Vão continuar a existir SIV’s com enfermeiros (para transporte primário e secundário)
Vão continuar a existir helis com medico e enfermeiro e helis SIV
O que passará a existir são ambulâncias (+/- 500) com técnicos diferenciados que deixarão de esperar uma hora por uma VMER para repor valores de glicemia, deixará de haver Portugueses a agonizar uma hora de caminho numa ambulância quando tem uma fractura, deixarão de haver Portugueses a morrer de hipovolémia porque a VMER mais próxima está a 200km.
Quanto ás ameaças ridículas sobre os estágios em hospital, não se iludam, não serão sob orientação de enfermeiros mas sim de médicos. Mas para os autores das ameaças, lembrem-se que todos os dias estagiam enfermeiros ou estudantes de enfermagem em ambulâncias INEM, tal como até aqui serão bem vindos, vamos continuar a recebe-los de braços abertos, continuaremos a aprender com eles e a transmitir os nossos conhecimentos.
Para finalizar, se tudo isto é por dinheiro ou por empregos deixo uma sugestão, optem apenas por ter um emprego na área de enfermagem é que assim o país já tinha lugar para os milhares de enfermeiros desempregados. Não tenham duvidas que a principal ameaça à vossa profissão é o oportunismo desmedido que reina no seio da classe.
 
De:Medico8
Para: "enfermeiros distraídos ou ainda não formados, que não tenham lido o meu comentário em Janeiro de 2007, aquando das acusações feitas pelos enfermeiros aos TAE`s, quando andavam de peito inchado ou edemaciado para ser mais técnico eheheheheheheh" Mas no final deixo mais uma opinião sobre o tema...



De: Medico8
Ao cuidado do "Doutorenfermeiro"

Sou TAE e desde já gostaria de deixar os meus cumprimentos ao auxiliar de acção medica, o sr"doutorenfermeiro",sim, porque eu trabalho dentro de uma viatura de emergência e trabalho com uma farda que diz INEM e TAE, não trabalho dentro de um hospital e ando de branco como qualquer um. Por vezes entro dentro do hospital e não consigo distinguir quem vai receber o doente e quem vai buscar a arrastadeira ou o urinol, estão todos de igual!!!! O único que distingo é o medico que usa bata e tem estetoscópio ao pescoço.

Com esse nome adoptado pelo sr. auxiliar, "doutorenfermeiro" leva-me a crer que não passa de mais um eliminado por não ter média para mais, (já sei, lá vem a lenga lenga de "eu era incapaz de escolher medicina", "é uma classe arrogante", blá blá blá)ou seja, é um frustrado de medicina.

Xiiiii... Agora me lembro, acusaram o meu colega João Lourenço de ignorância arrogância e afins, que iram dizer de mim... Prometo ser mais moderado.

Continuando sr. Azeiteiro "doutorenfermeiro" (epá, riu-me sempre que escrevo esta palavra eheheheheh)diga-me uma coisa, o sr. troca a VMER por uma ambulância??? Olhe o seu protagonismo. Depois deixa de aparecer na televisão e parece mal ir para jornadas, congressos e fóruns, apresentar trabalhos carregando uma cadeirinha, nisso o sr. não me ensina nada. Tenho licenciatura de transporte de doentes em cadeira e maca de transferência, isso ao seus olhos, claro, porque nós TAE até damos mais uns toques que isso, (desculpe a simplicidade das minhas palavras, mas quero que entenda tudo o que escrevo para não arranjar desculpas).

Quando escolheu enfermagem, qual foi a parte que não percebeu??? Eu passo a ajuda-lo. Está escrito em dicionário de Português:
Enfermeiro – Pessoa que trata de enfermos.
Enfermagem – Funções de enfermeiro
Enfermaria – Casa ou dependência destinada a tratamento de enfermos
Hospital – Estabelecimento onde se tratam doentes
Ambulância – Carro para transportar doentes.

Concluindo este esclarecimento, se o enfermeiro trata dos doentes, e os doentes são tratados nas enfermarias e nos hospitais, e as ambulâncias são para o transporte, sr. Auxiliar “Doutorenfermeiro”, deixe-se ficar no seu cantinho e preocupe-se em fazer o trabalho para o qual foi formado e no local para efeito.

Mas eu não estou aqui só para esclarecer, preocupou-me imenso saber pela sua pessoa que há enfermeiros sem colocação. Deixo a minha sugestão.
Sei que existem muitos lares e casas de repouso a necessitar de enfermagem digna da qualidade humana. Pelo que assisto no dia a dia, esse cuidado é negligente e muitas vezes efectuado por enfermeiros reformados e desactualizado. A higiene diária é deixada ao cargo dos empregados do lar quando essa formação é bem vincada e explorada na formação de enfermagem. Mas isso não dá protagonismo, não aparece na televisão. Já imaginaram o sr “doutorenfermeiro” a dizer “ eu trabalho num lar a fazer higiene diária e administrar a medicação diária. NÂO FICA BEM….
Trabalhar na VMER é que é……

O sr. Eliminado diz ainda “O comportamento dos TAS/TAE revela falta de ética, profissionalismo e demonstra a superficialidade de conhecimentos”
Não compreendo quando acusa os TAS/TAE de falta de ética e falta de profissionalismo, não só não compreendo como não o admito. As vitimas que transporto, tem todos os cuidados de emergência garantidos dentro da formação que me foi ministrada, bem como toda a atenção do técnico que vai na célula sanitária, nunca a abandona até à passagem da vitima na unidade Hospitalar, onde ai é deixada por vezes ao abandono como alguém desconhecido, em que muita das vezes sou abordado por essas vitimas nos corredores dos Hospitais, que pedem auxilio pois já o tinham feito a elementos de saúde da unidade Hospitalar e foram ignoradas. Isto é o que você chama de ética e profissionalismo?? Então temos conceitos diferentes. Provavelmente ainda o sr. Azeiteiro não pensava seguir enfermagem, já eu andava a bater com os “testículos” dentro de uma ambulância com formação adequada.

Agora, entendo perfeitamente quando afirma que o comportamento dos TAS/TAE, demonstra a superficialidade de conhecimentos, ainda estamos muito aquém da formação em emergência medica que possuem os enfermeiros. Por exemplo aquela técnica de passagem do doente com material de imobilização, que começam a retirar tudo antes de uma observação MEDICA, eu disse MEDICA.
Temos a técnica que é a minha favorita, a técnica da “báscula”. Passo a citar, os senhores enfermeiros pedem a ajuda dos seus colegas auxiliares de acção medica para passarem a vitima e de seguida inclinam o plano rígido (sr. Azeiteiro ou azeiteiros, o plano rígido é aquela prancha ou tábua, vocês dão-lhe tanto nome que não sei qual preferem, onde o doente vem imobilizado) e de seguida arrastam a vitima sem qualquer alinhamento.

Por falar em alinhamento, outra técnica em que estamos a anos-luz dos enfermeiros é a estabilização da cervical. Nós TAS/TAE aprendemos durante a nossa “curta” formação não mais que 5 formas de colocar as mãos para estabilizar uma cervical, mas os enfermeiros conseguem colocar as mãos em enumeras formas e muitas delas bastantes originais, será pela nossa curta formação??? Se tivéssemos estudado 0s 4 anos, teríamos de certeza aprendido as outras formas?!?!?!? Peço um esclarecimento, (sim, nós estamos sempre a aprender e eu sou muito aberto à formação que me possam ministrar) Porque é que na estabilização da cervical puxam tanto a cabeça às vítimas??? Já pensei que poderá ser por não possuírem nas urgências colares cervicais de tamanho adequado e assim colocarem o número existente.

Se formos falar no SBV, ai (e permita-me que utilize as suas palavras) é de BRADAR ao céu.
A técnica de compressões mais parece que estão a tirar água de um poço e as ventilações, com insuflador, parecem estar a encher um bote pneumático. É muito à frente mesmo.
Atenção, estou apenas a falar dos que ainda se dignam fazer essas manobras, os que nada fazem, desculpem-me.

Bem, mas à coisas que não me atreveria a fazer dada à sua complexidade. Refiro-me à actuação na VMER como enfermeiro.
A complexidade que tem por exemplo preparar um qualquer fármaco existente na mala medica para dentro de uma seringa usando ou não uma agulha a pedido do medico.
A preparação de um soro indicado pelo medico. A monitorização a pedido do medico. A programação de uma infusora a pedido de um medico. Bem, mas vocês fazem mesmo tudo só sobre ordem medica. Mais uma razão para serem vocês os auxiliares de acção medica e não nós porque nem sempre trabalhamos sobre ordem medica, e ainda temos certa autonomia na nossa função, quer saber quais?? Instrua-se….

Mas há manobras que são efectuadas pelo enfermeiro no pré-hospitalar nas quais não tenho mesma formação. Por exemplo, a intubação naso-gástrica . Fico admirado com tal manobra e interrogo-me o quanto é preciso equacionar antes de estar preparado para a efectuar, é mesmo muito complexa.

Quanto ao acto de puncionar (xiuuuu, não digas essa palavra porque é proibido) quer me mostra qual é a ciência?? Se é da opinião que esse acto jamais deverá ser feito por um outro profissional de saúde que não medico ou Azeiteiro, ups, enfermeiro, que a formação especializada que está proposta para os TAE, não deve sair da gaveta e dessa forma não podermos melhorar a qualidade de vida das vitimas que socorremos diariamente na rua, então o sr. Eliminado, não é tão inteligente assim, que não consegue alargar os seus horizontes como se de um burro com pala nos olhos se tratasse.

Enfermeiros como o sr. “doutorenfermeiro” não passam de pragas de gafanhotos, que tentam dizimar tudo o que é construído com esforço, orgulho e dedicação, apoderando-se sem esforço algum do que já estava construído e dessa forma se vangloriarem e tentarem chegar a posição igual à que a classe medica tem neste momento no nosso pais. Mas para isso não é preciso humilhar os outros para podermos brilhar. Começaram por se alistar nos bombeiros, agora querem o INEM, e a seguir, que vais ser???.....

Quero salientar o orgulho que tenho naquilo que faço e na instituição para que trabalho e no orgulho que tenho em trabalhar todos os dias ao lado de homens e mulheres TAE que se esforçam para que todas as vitimas tenham o socorro adequado sem descriminação ou julgamento.

Sou e faço aquilo que escolhi….

Ass: Medico8 (como é de conhecimento dos mais velhos na emergência, que não deve ser o seu caso “doutorenfermeiro” esta era a sigla da VMER de S.F.Xavier)
Identifico-me com este nome para ficarmos em igualdade, de doutor para doutor.

Em relação ao tema actual, a vossa preocupação não é colectiva, é individual. Nós lutamos para que TODOS tenham uma carreira. Vocês lutam individualmente para entrar numa VMER, fazer helicóptero, fazer CODU, fazer SIV (aqui é mais interrogado, porque a ultima remessa que entrou são ricem licenciados que nunca praticaram enfermagem na vida e muitos deles nunca trabalharam. Se houvesse tantos interessados a fazer AMBULÃNCIA, não tinha que andar a mendigar enfermeiros para as SIV. Mas a SIV ainda não é protagonismo suficiente)

Depois temos o problema dos enfermeiros que fazem DUPLO e que dessa forma tiram o emprego aos vossos colegas que tanto vos preocupa. Deixem-se de cinismos. Alguns dos enfermeiros que aqui expressaram a sua opinião ainda vão querer tirar lugar aos filósofos dizendo que é uma área de enfermagem (talvez tivessem melhor perfil para isso)
A vossa preocupação é porque vos está a acabar os tachos….
 
De:Medico8
Para: Anonimo das 9:04

Clap, clap,clap,clap,clap,clap....

Aplaudo
 
NOTÍCIAS FRESQUINHAS:

Em Lisboa já há grandes movimentações para fazer um levantamento dos candidatos a "Paramédicos". Agora pasme-se: entre eles estão, nada mais, nada menos do que ENFERMEIROS.
Também há já grandes guerras para saber por quem, como e onde vão ser formados estes indivíduos. Tal como temia em post anterior que infelizmente não foi publicado, também há Enfermeiros entre os potenciais formadores. Ai o dinheirito... faz "milagres".

Meus amigos...onde chegámos. Agora chacinamo-nos uns aos outros como tordos???!??!!
São autênticos tiros nos próprios pés.

Também soube que a ordem dos médicos está (ou estará em breve) a ser CONSULTADA no sentido de "aprovar" ou emendar a proposta de carreira e curricula destes "paramédicos". DE, sabe porventura se a ordem dos Enfermeiros também foi/será consultada neste sentido? É que se não, então é que a situação é mesmo muito preocupante.
 
Dr. Pizarro - secretário de estado da saúde - è o verdadeiro exemplo da miseria da nossa saúde. Sabiam que este médico quando fazia urgência no Hospital de S. João chegou a estar em simultaneo a trabalhar em duas unidades diferentes e no mesmo dia ... Sabiam que recebia o vencimento de 2 dias de urgência (pagos em horas extras) e trabalhava um só dia... Sabiam que durante esse dia de trabalho ainda conseguia ir almoçar com a família (em casa dele) demorando entre 2 a 3 horas. Ficam assim totalmente ausente do hospital. O Pior é que toda a gente sabe isto e ninguêm faz nada. Minto Toda a gente sabe isto e fazem disto um exemplo - Secretário de estado da saude. assim vai a nossa saúde...
 
não é por ser Melga que voei até aqui...
tenho divagado no porquedeixeideserenfermeiro/blogspot.com , e estou completamente estapafúrdio com tanta ignorância que vejo pairar ao cimo da terrinha. Camilo disse: "a ignorância é muito atrevida"...oh senhores colegas e amigos TAE, enfermeiros, doutores, etc....eu sou enfermeiro e acho ridicula a discussão agora tão acesa...e quando digo sou enfermeiro digo-o com a convicção que é a de ter sido enfermeiro na emergencia pre-hospitalar há bastantes anos...iniciei no tempo "load and go" porque fazer "play and stay" era levar uma carga de porrada...era um frenesim para que o motorista (um simples condutor sem conhecimentos de socorrismo básico e elementar) e eu "carregarmos" as vítimas à pressa e depois parar a uns quilometros de distância para aí sim, assistir da forma possível a mesma....gostei, adorei e lutei contra srs drs que na altura já criticavam os enfermeiros porque ao chegar ao SU nem queriam ouvir o que tinha sido efectuado. Digamos que me considero um dos precursores da actual emergency, portanto era bom que a humildade levasse ao reconhecimento que os enfermeiros foram uma peça importante no desenvolvimento de tudo isto, digamos que " o seu a seu dono"....
os tempos foram passando e as coisas mudaram, aos enfermeiros o que é dos enfermeiros (os profissionais de saude que minimizam o trabalho dos mesmos não deviam trabalhar na saúde), aos TAE o que é dos TAE ( os profissionais que minimizam o trabalho dos mesmos não deviam trabalhar na saúde)....certo?
Vem aí a carreira dos TAE e depois? deixem-na vir e garantam-me que se tiver um acidente algures, seja correctamente assistido por eles e me conduzam em perfeitas condições a um Hospital, onde enfermeiros competentes me esperam para dar continuidade aos cuidados que eu necessito...os TAE na emergência pré-hospitalar e os enfermeiros aos tres niveis de prestação de cuidados....alguém disse que os TAE vão dar continuidade aos cuidados no hospital? alguem disse que os TAE vão ser enfermeiros nas USF? alguem disse que os TAE vão assegurar cuidados de enfermagem de reabilitação?
Parece-me que a grave questão é estar aqui a menorizar-mos o trabalho uns dos outros...deixem-se disso elevem a discussão...
admito que muitos enfermeiros queiram os lugares que agora estão a ser abertos aos TAE, compreendo-os porque é uma das actividades onde a imprevisibilidade de um sinistro faz disparar os nossos níveis de adrenalina, e vamos reconhecer que os enfermeiros são muito maltratados em algumas unidades de saúde, geradoras de stress e da vontade de deixar de ser enfermeiro, porquê? porque a exigência de Ser Enfermeiro é tão elevada que podia e deveria ser repartida por rácios de enfermagem condignos com os niveis assistencias que os doentes necessitam....ser TAE é ter coragem de assistir mais precocemente a vítima e ser ENFERMEIRO é dar-lhe continuidade e se necessário, assegurar-lhe uma morte condigna...certo?
Por agora mais uma coisa odeio que me chamem DR, sou enfermeiro sem qualquer tipo de pudor...sem medo do HIV, das hepatites, dos BK,das salmonelas,dos MRSA,faço drenagens posturais a DPCO, enfisematosos, etc, cuido estomas fistulizados, das diarreias rebeldes efeito de doentes que ingeriram organofosforados ou outras, removo fecalomas digitalmente,........
Para terminar, para aqueles, sejam eles quais forem, que tem como sonho andar de heli ou de carro a velocidades superiores aos limites legais de velocidade sem serem multados, que quando nessa situação não pensam em cuidados de saúde seguros, deixo um convite, alistem-se no exército ou na força aérea, os quais estão a queixar-se da falta de voluntários, e pode ser que sigam numa missão para o Afeganistão, Iraque ou outro onde a adrenalina se mantém em niveis constantes....
Um último reparo, ao autor da última crónica, nunca viu perfuração da massa encefálica provocada por sonda nasogastrica em doentre com TCE, eu já, o que demonstra que não é complexa...e aquela da tracção da cervical que fala das tracções que os enfermeiros exercem de forma exagerada, tenha consciência que o efeito do colar é imobilizar e não o de corrigir por exemplo uma luxação vertebral , não se esqueça que depois de deixar o doente no hospital, pode ser necessário colocar um comprasso craneano que permite ir aumentando a tracção craneana distendendo a cervical sob o efeito de 6,7,8,9,10,ou mais kilos? se os tachos estão na enfermagem...toca rapazes e raparigas todos a atacar a enfermagem, assim seremos mais ricos(pobres de espirito)...
Força Enfermeiros...pela futura carreira...
Parabens aos TAE pela futura carreira...
uma boa noite a todos....e tratem essas vesículas por favor....
 
Continuo a não compreender a falta de respeito pelos profissionais de enfermagem, digo Enfermeiros. Como é possível que estes TAE venham aqui dizer as barbaridades acima referidas?E a frustração deles?Será que apenas há mtos Enfermeiros que queriam ser médicos ou será que ainda haverá mais tae's que queriam ser Enfermeiros?E então o que fazemos: criamos uma nova carreira....Honra seja feita a este governo: primeiro havia carreiras a mais e era preciso juntá-las; agora vamos inventar carreiras pq ficamos com poucas....Não se vangloriem, porque o novo Modelo de Desenvolvimento Profissional de Enfermagem contemplará também a "vossa" área - a Emergência Pré-Hospitalar".... Uma pergunta aos TAE: Será que todos os bombeiros são craques de emergência ou haverá alguns que percebem mais de apagar fogos ou subir a árvores tirar os gatos mais rebeldes???Respondo para dizer que nem todos os enfermeiros se dedicam à emergencia, como nem todos se dedicam à reabilitação ou à psiquiatria, mas aqueles que o fazem são competentes(na generalidade) e dão garantias À população e não têm que estar a ter em conta a opinião de certos individuos (e não me refiro a todos os TAE's, pq conheço pessoas sérias a trabalhar na área)... Quanto aos outros, deixo-vos um ditado: "quanto mais alto subires, maior será a queda". Isto só para dizer que acreditar em beneces concedidas por este ou qualquer governo é ser demasiado ingénuo, ou não se recordam que foi um governo do Guterres onde tb vagueva um tal de socrates que aprovou a licenciatura em Enfermagem. Até hoje, os enfermeiros ainda não tiveram beneficios nenhuns......

Cumprimentos...
A Enfermagem não está adormecida.....
 
a licenciatura em enfermagem não são 4 anos a aprender e treinar técnicas. não seriam necessários 4 anos para aprender e treinar técnicas. se quiser num só dia ensino-lhe a puncionar, entubar e mais qualquer coisa. se não tiver nenhum défice intelectual ou motor garanto-lhe que um dia basta. acho óptimo a existência de técnicos competentes no pré-hospitalar. mas a abordagem da enfermagem e da medicina é mais do pura e simples técnica.
e desenganam-se se pensam que a enfermagem é para ser exercida apenas nos hospitais. a enfermagem está e deve estar onde é necessário
 
Eu gostava de perguntar aos sr's TAE's q tanto falam das SUAS funções, da SUA formação, afinal o q é q sabem fazer assim de tao especial?? é q gostava mm de ver qual é a sua técnica ou coisa do género q sabem fazer tão bem. será uma imobilização? nao, sabem retirar um capacetece e fazer tracção? ou melhor até sabem medir sinais vitais, e alguns até sabem quando estes não estão normais. então e depois? ou transportam deitado ou sentado! Por favor sr's TAE's, o pré-hospitalar não é só isso q vcs sabem fazer e mt menos com mil e poucas horas da vossa precisosa formação, ou lá p que é.

já cansa ouvir sempre a mm conversa. e a desculpa de q os enf kerem é sirenes e conduzir já nao pega à muito tempo, até pq nas SIV kem conduz é o sr TAE, satisfeitos? assim já podem ligar as sirenes o caminho todo.

agora mais o "paramédico", isto só visto neste país... já temos enf no p´re hospitalar, agora vamos andar pra trás e ter paramedicos... enfim...
 
Melga..
Sinceramente gostei do seu comentário, que é revelador da sua capacidade e forma de estar na vida.
Opinião sincera, fundamentada e frontal. Quanto aos outros, que nada mais fazem do que atacar tudo e todos, aconselho-vos a relaxarem e aproveitarem o espírito natalício para confraternizarem saudavelmente .
Saudações a todos!
 
vamos mas é tratar da raiz dos probemas e esses passam pela definição da carreira, especialização especifica, vencimentos compayiveis e não ser pau para toda a colher. Deixem a mania do aparato e das luzes e sirenes. Antigamente quem fazia isso era apelidado de bêbedo, apgora é paramédico. são as ondas da moda. Deixem os papeis e olhem para os doentes que vos aparecem pela frente como deve ser.
 
Isto, as farmacia poderem dar vacinas sem enfermeiros. São consequencias de uma causa maior! Estamos concentrados apenas nas mesmas e estamos a esquecer da causa ou causas de isto acontecer!
Alguem quer que a Enfermagem perca o que hoje tem, pelo qual lutou!
A luta vai para além dos "paramédicos" e das "vacinas nas farmácias", doulas, etc... A causa qual será? temos que nos centrar nisso! Acredito que a pelémica da vacinas e dos paramédicos, doulas, servem apenas de distração para alguem superiormente e com a conivencia de alguns membros das instituições que nos representam pretendam a regressão da classe de enfermagem tal como hoje a conhecemos, com outros fins (o reaparecimento da classe de auxiliares de enfermagem)

Todos, médicos, enfermeiros, TAE´s/TAS´s, fisioterapeutas, faramaceuticos, ect... dizemos que cada um deve estar no seu galho da arvore que é a Saude do doente/cliente, mas poucos sabem onde começam e acabam esses galhos! A indefinicação de algumas funções inerentes a cada classe leva a que outras se aproveitem para ficar com um bocadinho, e depois bago a bago se depena o cacho! Quando damos por ela, já só fica com aquilo que os outros supostamente não querem!
 
temos de fazer um 25 de abril na enfermagem. fim à ordem porrrrrrra.
viva a p.i.d.e
 
Abaixo esta ordem que apenas tem servido para nos sugar o pouco dineiro que ganhamos. Nos ultimos tempos assiste-se a uma inoperancia na defesa da Enfermagem.
Que dignidade querem para a Enfermagem com os membros a ganharem pouco mais de uns miseros euros.
 
Para que uma C.I.P.E., para que diagnosticos de Enfermagem? Na altura de dar alta ao doente para que serve o diagnostico de Enfermagem???? Ele é tido em conta no internamento do doente? Quem interna? É o Enfermeiro? Até para uma simples cefaleia necessitamos de chamar o Medico (isto em termos legais, por que na pratica ......)
 
Aos enfermeiros só digo isto, tanto quiseram usurpar funções que nunca foram vossas, que agora o feitiço se virou contra o feiticeiro!!

Em vez de se procuparem com a profissão de enfermagem andavam entretidos e iludidos a tentar serem reis e senhores da EPH, muito a favor de SIV's e Helis so com enfermeiros...agora aí tem, nem na EPH vão ser alguem...

So espero que estes supostos tecnicos que ai vem, sejam formados convenientemente, alguns dos procedimentos que se fala que possam executar não são propriamente levianos, devia ser bem pensado ate onde deveriam ir as competencias dos tecnicos.
 
"A técnica de compressões mais parece que estão a tirar água de um poço e as ventilações, com insuflador, parecem estar a encher um bote pneumático."

Deve estar a falar dos médicos, pois são esses que vejo fazerem esses actos, aliás, eu sou enfermeiro, e formador de SBV e a esmagadora maioria dos leigos que ensino SBV fá-lo melhor que 90% dos médicos. De todos os intervenientes considero que os médicos são os que deveriam ter mais formação na técnica em si – colocação das mãos, ritmo, correcta angulação do tronco, etc…mas trata-se só da técnica, como outra …
Mas (é engraçado) que dos médicos não diz nada...a esses já tem de dar graxa, não é?
Trabalho diariamente com TAE, TAS e bombeiros e a esmagadora maioria faz realmente a técnica de SBV correcta, apesar de serem poucos os que percebem o que estão a fazer e o porquê. A esmagadora maioria dos "profissionais" das ambulâncias em Portugal tem muito, mas muito pouca formação...e alguns educação também.
Em Portugal é necessário quem suba escadas depressa, quem desencarcere vítimas, quem saiba conduzir bem (não é rápido) e quem auxilie médicos e enfermeiros na prestação de cuidados de saúde à vítima em ambiente pré hospitalar. Não é necessário mais que isso...
O que o governo pretende é (graças ao actual excesso de enfermeiros) colocar enfermeiros como paramédicos a ganharem pior que um enfermeiro, tão simples como isso. Ou duvidam que se esta proposta avançar não irão chover candidaturas de enfermeiros desempregados. Aliás se tornarem o curso minimamente exigente restarão poucos dos actuais TAE e TAS …
Para já podem ir a correr ao RVCC tirar (para vos darem) o 12ª ano que não conseguiram pela via normal ...facilitismos. Com os enfermeiros é tudo mais complicado.
 
Good night Nurses.

Please go to : http://enw.org/pre-hospital_links1.html

This is an international example..Go and see this website
 
And see this website: (RN-Registered Nurses )www.basics.org.uk/nurse.html
 
"Sou TAE e desde já gostaria de deixar os meus cumprimentos ao auxiliar de acção medica, o sr"doutorenfermeiro",sim, porque eu trabalho dentro de uma viatura de emergência e trabalho com uma farda que diz INEM e TAE, não trabalho dentro de um hospital e ando de branco como qualquer um. Por vezes entro dentro do hospital e não consigo distinguir quem vai receber o doente e quem vai buscar a arrastadeira ou o urinol, estão todos de igual!!!! O único que distingo é o medico que usa bata e tem estetoscópio ao pescoço."

Este TAE deve ser daqueles, (dos poucos que existem felizmente são poucos) que trás o doente todo mijado, porque foi incapaz de dar um Urinol/arrastadeira (pq tb fazem parte do material de ambulancia) ao doente durante o percurso da ambulancia. Depois o doente diz, "aquele senhor....," sim porque alguns não sabem ler TAE e INEM, mas sabem reconhecer a os profissionais independetemente da farda que usam ou dos acessórios que usam ao pescoço ou nas mãos! O doente reconhece o enfermeiro apesar de não termos escrito no casaco/farda Enfermeiro! Pelo que lí, voce precisa que esteja escrito isso para que o identifiquem como TAE! O seu profissionalismo não lhe chega o identificar como TAE, que vergonha!!!

"Com esse nome adoptado pelo sr. auxiliar, "doutorenfermeiro" leva-me a crer que não passa de mais um eliminado por não ter média para mais, (já sei, lá vem a lenga lenga de "eu era incapaz de escolher medicina", "é uma classe arrogante", blá blá blá)ou seja, é um frustrado de medicina."

Olha quem fala, se calhar o Sr escolheu ser TAE, (Sem ofensa para mt TAE´s do qual o sr, não faz parte) por não ter média para ir para Enfermagem!!!!

"Continuando sr. Azeiteiro "doutorenfermeiro" (epá, riu-me sempre que escrevo esta palavra eheheheheh)diga-me uma coisa, o sr. troca a VMER por uma ambulância??? Olhe o seu protagonismo. Depois deixa de aparecer na televisão e parece mal ir para jornadas, congressos e fóruns, apresentar trabalhos carregando uma cadeirinha, nisso o sr. não me ensina nada. Tenho licenciatura de transporte de doentes em cadeira e maca de transferência, isso ao seus olhos, claro, porque nós TAE até damos mais uns toques que isso, (desculpe a simplicidade das minhas palavras, mas quero que entenda tudo o que escrevo para não arranjar desculpas)."
Mediaticamente aparece mais TAE´s e médicos na TV do que enfermeiros, até para reclamar louros de factos que não fizeram....

"Quando escolheu enfermagem, qual foi a parte que não percebeu??? Eu passo a ajuda-lo. Está escrito em dicionário de Português:
Enfermeiro – Pessoa que trata de enfermos.
Enfermagem – Funções de enfermeiro
Enfermaria – Casa ou dependência destinada a tratamento de enfermos
Hospital – Estabelecimento onde se tratam doentes
Ambulância – Carro para transportar doentes."

Sabe as funções de enfermeiro?
Tudo o que voce pode fazer eu tb o posso, mas tudo o que eu sei fazer, voce não sabe fazer! Há muitos enfermeiros a trabalhar no PH e não só nas Vmer´s. Que fazem ambulancia há varios anos! Se calhar há mais anos do que os seus "testiculos"

"Concluindo este esclarecimento, se o enfermeiro trata dos doentes, e os doentes são tratados nas enfermarias e nos hospitais, e as ambulâncias são para o transporte, sr. Auxiliar “Doutorenfermeiro”, deixe-se ficar no seu cantinho e preocupe-se em fazer o trabalho para o qual foi formado e no local para efeito."

Mais uma prova que não sabe que é ser enfermeiro... Não vem no dicionário sabia!!!

"Mas eu não estou aqui só para esclarecer, preocupou-me imenso saber pela sua pessoa que há enfermeiros sem colocação. Deixo a minha sugestão."

A sua sugestão pode envia-la para o Instituto de Emprego! Já agora, desde que os enfermeiros fazem parte da equipa multidisciplinar dos lares, a Tx de internamentos dos doentes dos mesmos reduziu! Sabia disso? Por isso, o lugar dos enfermeiros é onde são precisos nos cuidados de saúde, que a nívem primário, secundário ou terciário!

"Agora, entendo perfeitamente quando afirma que o comportamento dos TAS/TAE, demonstra a superficialidade de conhecimentos, ainda estamos muito aquém da formação em emergência medica que possuem os enfermeiros. Por exemplo aquela técnica de passagem do doente com material de imobilização, que começam a retirar tudo antes de uma observação MEDICA, eu disse MEDICA.
Temos a técnica que é a minha favorita, a técnica da “báscula”. Passo a citar, os senhores enfermeiros pedem a ajuda dos seus colegas auxiliares de acção medica para passarem a vitima e de seguida inclinam o plano rígido (sr. Azeiteiro ou azeiteiros, o plano rígido é aquela prancha ou tábua, vocês dão-lhe tanto nome que não sei qual preferem, onde o doente vem imobilizado) e de seguida arrastam a vitima sem qualquer alinhamento."

Esta fez-me rir. Voce deve ter cá uma dor de cotovelo que fantasia e generaliza! Por vezes tiro, porque ás vezes o colar está mal colocado, o doente mal alinhado e as talas mal colocadas! Já pensou nisso tb!? Ou por vezes digo, pare de massajar o doente pois este está em estado catatonico! (vá ver isso ao diconário de lingua portuguesa, Sugiro o Manual da Merk)

Mais haveria dizer....

Caro Medico8
As suas afirmações são todas passiveis de serem rebatidas, sem a menor dificuldade. Para quê!? Ao longo destes anos todos que trabalho com enfermeiro de Urgencia e de PH (numa ambulancia e não numa Vmer)aprendi que todos temos lugar no PH e se actuamos em conjunto quem ganha é o doente e não o TAE/TAS/Médico/Enfermeiro.
Trabalho com orgulho ao lado de médicos, enfermeiros, TAE´s, Bombeiros e para o doente! É o doente, o objectivo pelo qual as instituições que "orgulhosamente" representamos no local da ocorrencia existem e pelo qual os portugueses que pagam impostos, exigem.
O Problema é nunca sabemos onde começa e acaba o nosso galho da arvore!
 
Gostei daquela do identificar ruidos respiratorios e depois entre aspas com uso de estetoescopio lolol
sr dr enfermeiro que quer mandar os TAE para o lixo,
os TAE ja usam estetoescopio ha muito tempo para avaliar PA's!!! ou pensa que andamos nas ambulancias inem com esfigmos digitais de pulso !!!
 
Lamento!!! Que mais uma vez os enfermeiros se mantenham passivos e de cabeça metida na areia.
Mais uma vez qualquer um lembra-se e cria algo, reduzir reduz aos Enfermeiros, e por ai fora.... Como tem sido ao longo dos tempos.

Solicito um levantamento de rancho por parte dos enfermeiros;
Solicito um motim a bordo;
Vamos dizer chega;

Vamos impor-nos!

Vamos seguir Bons exemplos vejam os professores, concluem a licenciatura e são renumerados como tal e nos a cerca de 8 anos que andamos a espera de que?

Vamos revoltar-nos

Vamos deixar de ser gozados e humilhados temos competências e formação.
Estamos a espera do que?

Vamos revoltar-nos
 
"Ja os nosso colegas espanhois tiveram luz verde á 2 meses para implementar o sistema americado de 1200h...
Ou seja neste panorama onde é que entram os enfermeiros?

Espanha a mudar tudo pra tecnicos 1200h." (Doula usurpadora de funções a enfermocas)

Isto é uma mentira.
Espanha não vai mudar o sistema americano.
Desculpe, eu sou espanhol. Eu não falam Português.
Na Espanha:
SVB: Técnicos
SVI: Enfermeros
SVA: Médicos y enfermeros.

O novo curso técnico na Espanha irá proporcionar formação ao técnico. Antes não havia qualquer treinamento formal. Só em algumas regiões. Agora, haverá treinamento formal. Mas não são paramédicos.

Não é possível:
- Estabelecer acessos venosos periféricos. (enfermeiro pode fazer, técnicos não).
- Estabelecer acessos intra-ósseos (enfermeiro pode fazer, técnicos não).
- Realizar lavagem gástrica (enfermeiro pode fazer, técnicos não ).
- administração de medicação (enfermeiro pode fazer, técnicos não ).
- ...
Técnicos Só posso fazer SBV e ajudar o médico e enfermeiro.
SIV: Enfermeiros.
SAV: Médicos, enfermeiros.

Tal como em Itália e França e Sérvia e Bélgica e Luxemburgo...

Na Holanda os paramédicos são enfermeiros. Eles têm de estudar enfermagem.
Na Finlândia, também.
Na Suécia, o enfermeiro pode administrar medicação na ambulância. Os técnicos não.

E eles são países com bons sistemas de saúde. Em muitos casos, com melhores sistemas do que na EUA.
 
"Na Holanda os paramédicos são enfermeiros. Eles têm de estudar enfermagem."

Pçeo desculpa, mas na Holanda "Paramédico" é um termo designativo, ou seja, nao existem paramédicos. São Enfermeiros. Não têm que estudar Enfermagem, são mesmo Enfermeiros, o povo é que muitas vezes, erradamente, os apelida como paramédicos.
Lá, a EPH é feita por Enfermeiros. Os equivalentes aos nossos CODU's também são geridos por Enfermeiros.
 
"na Holanda "Paramédico" é um termo designativo, ou seja, nao existem paramédicos. São Enfermeiros."
Você está certo.
Quero dizer que, a partir de outros países muitas vezes são confundidos com paramédicos.Mas, na verdade, são enfermeiros. Eu quis dizer que para trabalhar em uma ambulância deve ser estudado enfermagem.

A Finlândia é o mesmo. Há muitas carreiras de enfermagem (Terveydenhoitaja/public health nurse, Sairaanhoitaja/General nurse, Ensihoitaja/emergency nurse,...). Um deles (ensihoitaja) é a de enfermagem emergência para trabalhar na UTI, ambulâncias, emergências, ER,...
Inglês é muitas vezes traduzido como "paramédic",
Mas, na realidade, "ensihoitaja" obtiveram um título válido de enfermeiros na UE.

"lähihoitaja" (basic nurse)- SBV
"ensihoitaja" (registrated nurse, special nurse on EMS)- SAV

(In English:
The education systems has renovated on 1st of August 2000.

On the basic level it is needed to have 3 years training in Health Institute, which gives people "lähihoitaja" by profession (basic nurse). They can work all over the healthcare system (EMS, hospital etc). A Fireman has 1,5 year training in Fire Academy and they have 6 months EMS training in it. They can also work on EMS.

On the advanced level it is needed to have 4 years training in Health College which gives people "ensihoitaja" by profession (registrated nurse, special nurse on EMS). They can work all over the healthcare system (EMS, ER, OR, ICU and all over). Their training is EU accepted and they can apply for jobs over Europe as RN).


Quero dizer que, na maioria dos países europeus, os enfermeiros trabalham em EPH (Países Baixos, Finlândia, Luxemburgo, França, Itália, Espanha, Sérvia, Lituânia, Suécia, Andorra, Bélgica, ..

Não só existe EUA e Canadá como dizem os técnicos.

Desculpe o meu Português
Saudações
 
Enviar um comentário



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

AmazingCounters.comVisitas ao blog Doutor Enfermeiro


tracker visitantes online


.

Novo grupo para reflexão de Enfermagem (a promessa é: o que quer que ali se escreva, chegará a "quem de direito")! 

Para que a opinião de cada um tenha uma consequência positiva! Contribuição efectiva!